Dissertações

  • Linha 1: Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
  • Dissertações Defendidas
    DISSERTAÇÕES 2018
    Título Habitação de Interesse Social na cidade de Cruzeiro - SP: evidências de segregação socioespacial diante da modernização conservadora


    http://biblioteca.univap.br//dados//000038/0000380d.pdf
    Autor(a) Tamyse Campos
    Orientação Prof. Dr. Paulo Romano Reschillian
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo A cidade é um produto histórico e social, resultado da transformação do homem na natureza. Assim, a cidade é o espaço no qual a sociedade estabelece relações e que se modifica na medida em que o território se transforma. A dissertação trata da produção do espaço, balizada pela acumulação do capital que resulta em consequências para a realização da vida humana, debruçada na desigualdade social e ao acesso à cidade, para parte da população apenas. O Movimento pela Reforma Urbana (MPRF) ao longo de anos vem pleiteando a regularização fundiária e, diante de suas conquistas, vislumbramos pouco progresso. Observa-se um padrão nacional de produção desigual do espaço onde o município de Cruzeiro apresenta características semelhantes a esse padrão, baseada na periferização da cidade e segregação sócioespacial. Nesse sentido, a pesquisa apoia-se no conceito de patrimonialismo, herdado da Coroa portuguesa durante o processo de colonização no Brasil, para confirmar a segregação sócioespacial diante da modernização conservadora que ocorreu na cidade de Cruzeiro.
    Título Experimentação narrativa entre o velho e novo mundo: espaço e identidade no século XIX


    http://biblioteca.univap.br//dados//000039/0000396d.pdf
    Autor(a) Aline Cristina Gomes da Costa
    Orientação Prof. Dr. Pedro Ribeiro Moreira Neto
    Profa. Dra. Valéria Zanetti
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo A produção do espaço urbano está diretamente ligada às práticas espaciais vividas pela sociedade. Uma área do conhecimento que permite entender a relação existente entre a identidade (individual e coletiva) que habita o espaço e a produção sócio espacial, é a linguística. Essa ciência permite realizar experimentações narrativas como forma de captar nuances do simbólico para a compreensão do campo técnico. Com o dispositivo da observação de um flâneur, o estudo em questão propõe criar um personagem francês que chega ao Brasil, na segunda metade do século XIX e transita por cidades invisíveis. No entanto, as cidades que habitam seu imaginário nada mais são que espectros de espaços reais, fragmentos que compõem uma realidade vivida cujo tempo atrela a Europa e a América. Nessa viagem pelos espaços, paisagens são minuciosamente observadas e analisadas pelo viajante gaulês, que se instrumentaliza do planejamento urbano para formar e orientar o olhar.
    Título Espaço urbano e hotelaria em São José dos Campos: um estudo de caso Novotel


    http://biblioteca.univap.br//dados//000038/0000381a.pdf
    Autor(a) Lincoln Augusto Taddeo Firoozmand
    Orientação Profa. Dra. Sandra Maria Fonseca da Costa
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo O presente trabalho discute o processo recente da urbanização brasileira e as suas relações com as políticas públicas, associadas à expansão do turismo de negócios na Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte (RMVPLN) ? SP. Em específico, investiga-se a ampliação do parque hoteleiro no município de São José dos Campos ? SP, a partir do início do século XX. A intensificação da urbanização no Brasil constitui-se um fenômeno socioeconômico importante, após 1950. As suas características são a manifestação de diferentes processos, muitas vezes com o incentivo de políticas públicas nacionais como, por exemplo, o Plano Nacional de Desenvolvimento (I e II PND), e regionais, como o Consórcio de Desenvolvimento Integrado do Vale do Paraíba (CODIVAP). Dentro dessa temática, buscou-se desenvolver uma abordagem que permitisse analisar e compreender a dinâmica socioespacial, relacionando-a a variáveis políticas, culturais, econômicas e físico-territoriais. Ressalta-se a discussão sobre a relação entre as políticas públicas nacionais, regionais e municipais, uma apresentação de dados estatísticos, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), do número de estabelecimentos de hospedagem e unidades habitacionais, segundo as principais capitais do território brasileiro e municípios que compõem a RMVPLN. A metodologia adotada para analisar a proposta do presente trabalho caracteriza-se como sendo exploratória, de abordagem qualitativa e de revisão bibliográfica, desenvolvida a partir de dados multifontes e multi bibliográficos, que permitiram averiguar as relações entre a elaboração de políticas públicas e o desenvolvimento da indústria do turismo de negócios no município de São José dos Campos. Como resultado, constatou-se que a concentração hoteleira em algumas regiões no Brasil, como respectivamente apresentados, foi o impulso da modernização de cidades e regiões, que passaram a gerar uma maior fonte de receita, fomentando empregos e oportunidades de desenvolvimento, crescimento local e produção social do seu espaço urbano.
    Título Dispersão e fragmentação do crescimento urbano: relação entre a legislação urbanística e produção do espaço urbano de São José dos Campos 1950/2015


    http://biblioteca.univap.br//dados//00003a/00003a2c.pdf
    Autor(a) Gilberto Alves da Cunha
    Orientação Prof. Dr. Pedro Ribeiro Moreira Neto
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo O presente trabalho pretende analisar e avaliar os resultados da legislação e instrumentos de política urbana e de gestão do município de São José dos Campos entre os anos de 1980 e 2015. Como metodologia é utilizada a análise das leis e planos urbanísticos produzidos neste período, visando interpretar o processo de urbanização ocorrido e os efeitos desse sobre à produção social da cidade. Este é o campo em que se situa a pesquisa, envolvendo inclusive as novas exigências legais introduzidas no decorrer deste espaço de tempo, como o conceito da função social da propriedade e suas implicações, advindas dos avanços trazidos pela ?Constituição Cidadã? de 1988 e as disposições estabelecidas após sua regulamentação com o Estatuto da Cidade.
    Título Condições de vida e a persistência de doenças evitáveis: um estudo socioespacial da sífilis congênita no município de São José dos Campos, SP


    http://biblioteca.univap.br//dados//00003a/00003a2d.pdf
    Autor(a) Natália Barboza Helbusto
    Orientação Profa. Dra. Paula Vilhena Carnevale Vianna
    Profa. Dra. Andrea Penelupp
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo As doenças infecciosas são historicamente associadas à organização da vida no espaço urbano. Melhorias na infraestrutura urbana e avanços tecnológicos na saúde enfraqueceram essa associação no imaginário coletivo e, igualmente, na proposta de ações que integrem o planejamento urbano e a saúde coletiva. Novas doenças infecciosas, como as arboviroses e a reemergência de outras, como a sífilis, reavivam a necessidade da reaproximação desses dois campos. Essa dissertação busca analisar a associação entre a vulnerabilidade socioespacial e a incidência de eventos evitáveis de saúde, tendo como objeto o aumento da incidência de sífilis congênita (SC) no município de São José dos Campos. Estudos identificam como fatores de risco para essa afecção, além do aumento da incidência de sífilis em adultos, a condição socioeconômica das mães, o não tratamento dos parceiros e a idade jovem, evidenciando a vulnerabilidade das gestantes. Essa dissertação considera a SC como um evento sentinela para o estudo da relação território de vida/saúde e tem como objetivo analisar a distribuição socioespacial de SC no município de São José dos Campos, a fim de analisar a influência dos condicionantes socioespaciais da organização urbano-regional e da organização da rede de serviços sobre a ocorrência do evento. O estudo foi descritivo e ecológico, com base em dados secundários (sistema de notificação de agravos, do Ministério de Saúde ? SINAN/MS ? e índice paulista de vulnerabilidade social ? IPVS, calculado pela Fundação SEADE, SP) O estudo georreferenciado dos eventos foi realizada por local de moradia no momento do nascimento. Os estudos espaciais foram realizadas por área, pela estimativa de Kernel. Verificou-se associação entre a ocorrência dos eventos (casos suspeitos e/ou confirmados de sífilis congênita) e a vulnerabilidade socioespacial. Espera-se que o estudo contribua para a a avaliação e formulação de políticas de saúde e planejamento urbano da região, evidenciando sua proximidade e relação.
    Título Exclusão e segregação socioespacial na região metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte - SP: Uma análise do Programa Minha Casa Minha Vida Faixa 1 e da vulnerabilidade social


    http://biblioteca.univap.br//dados//000037/00003772.pdf
    Autor(a) Daniela das Neves Alvarenga
    Orientação Prof. Dr. Paulo Romano Reschillian
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo Este trabalho contribui para leitura da questão habitacional e urbana na Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte, situada no estado de São Paulo, no período de 2009 a 2016. A exclusão e a segregação socioespacial foram estudadas a partir da articulação da inserção urbana dos empreendimentos Minha Casa Minha Vida (MCMV) ? Faixa 1 e das expressões de vulnerabilidade social existentes no território - conforme Índice de Vulnerabilidade Social (IVS) elaborado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada -, com as diretrizes da Política Nacional de Habitação. Foi realizada uma análise intraurbana dos onze municípios atendidos pelo programa MCMV (Cruzeiro, Guaratinguetá, Jacareí, Caçapava, Lorena, Pindamonhangaba, Caraguatatuba, São José dos Campos, Taubaté, Canas e Potim) com o objetivo de levantar em que medida o programa promoveu o direito à moradia digna, entendido como indissociável do direito à cidade. A análise dos resultados revelou que 81 % das unidades habitacionais foram construídas em locais com muito baixa e baixa vulnerabilidade social relativa à infraestrutura e à renda e trabalho. No entanto, o mapeamento do IVS capital humano, referente à saúde e, especialmente à educação, apontou a construção de 62 % das moradias em áreas com média e alta vulnerabilidade social, com destaque para os municípios de São José dos Campos e Pindamonhangaba. O indicador de vulnerabilidade social sintético apontou a construção de 71 % das unidades em locais com baixa vulnerabilidade. Os resultados da análise da inserção urbana, a partir da relação centro-periferia, associada às legislações de uso e controle do solo e aos planos locais de habitação, revelaram o espraiamento urbano e a periferização em todos os municípios atendidos pelo programa. As conclusões alcançadas neste trabalho apontam a exclusão e a segregação socioespacial por meio da política habitacional municipal, refletindo a negação do direito à moradia digna como vetor de inclusão social na região metropolitana.
    Título Condições de vida e a persistência de doenças evitáveis: um estudo socioespacial da sífilis congênita no município de São José dos Campos, SP


    http://biblioteca.univap.br//dados//00003a/00003a2d.pdf
    Autor(a) Natália Barboza Helbusto
    Orientação Profa. Dra. Paula Vilhena Carnevale Vianna

    Profa. Dra. Andrea Penelupp
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo As doenças infecciosas são historicamente associadas à organização da vida no espaço urbano. Melhorias na infraestrutura urbana e avanços tecnológicos na saúde enfraqueceram essa associação no imaginário coletivo e, igualmente, na proposta de ações que integrem o planejamento urbano e a saúde coletiva. Novas doenças infecciosas, como as arboviroses e a reemergência de outras, como a sífilis, reavivam a necessidade da reaproximação desses dois campos. Essa dissertação busca analisar a associação entre a vulnerabilidade socioespacial e a incidência de eventos evitáveis de saúde, tendo como objeto o aumento da incidência de sífilis congênita (SC) no município de São José dos Campos. Estudos identificam como fatores de risco para essa afecção, além do aumento da incidência de sífilis em adultos, a condição socioeconômica das mães, o não tratamento dos parceiros e a idade jovem, evidenciando a vulnerabilidade das gestantes. Essa dissertação considera a SC como um evento sentinela para o estudo da relação território de vida/saúde e tem como objetivo analisar a distribuição socioespacial de SC no município de São José dos Campos, a fim de analisar a influência dos condicionantes socioespaciais da organização urbano-regional e da organização da rede de serviços sobre a ocorrência do evento. O estudo foi descritivo e ecológico, com base em dados secundários (sistema de notificação de agravos, do Ministério de Saúde SINAN/MS e índice paulista de vulnerabilidade social IPVS, calculado pela Fundação SEADE, SP) O estudo georreferenciado dos eventos foi realizada por local de moradia no momento do nascimento. Os estudos espaciais foram realizadas por área, pela estimativa de Kernel. Verificou-se associação entre a ocorrência dos eventos (casos suspeitos e/ou confirmados de sífilis congênita) e a vulnerabilidade socioespacial. Espera-se que o estudo contribua para a a avaliação e formulação de políticas de saúde e planejamento urbano da região, evidenciando sua proximidade e relação.
    Título Dispersão e fragmentação do crescimento urbano: relação entre a legislação urbanística e produção do espaço urbano de São José dos Campos 1950/2015


    http://biblioteca.univap.br//dados//00003a/00003a2c.pdf
    Autor(a) Gilberto Alves da Cunha
    Orientação Prof. Dr. Pedro Ribeiro Moreira Neto
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo O presente trabalho pretende analisar e avaliar os resultados da legislação e instrumentos de política urbana e de gestão do município de São José dos Campos entre os anos de 1980 e 2015. Como metodologia é utilizada a análise das leis e planos urbanísticos produzidos neste período, visando interpretar o processo de urbanização ocorrido e os efeitos desse sobre à produção social da cidade. Este é o campo em que se situa a pesquisa, envolvendo inclusive as novas exigências legais introduzidas no decorrer deste espaço de tempo, como o conceito da função social da propriedade e suas implicações, advindas dos avanços trazidos pela Constituição Cidadã de 1988 e as disposições estabelecidas após sua regulamentação com o Estatuto da Cidade.
    Título Experimentação narrativa entre o velho e novo mundo: espaço e identidade no século XIX


    http://biblioteca.univap.br//dados//000038/0000380d.pdf
    Autor(a) Tamyse Campos
    Orientação Prof. Dr. Paulo Romano Reschillian
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo A cidade é um produto histórico e social, resultado da transformação do homem na natureza. Assim, a cidade é o espaço no qual a sociedade estabelece relações e que se modifica na medida em que o território se transforma. A dissertação trata da produção do espaço, balizada pela acumulação do capital que resulta em consequências para a realização da vida humana, debruçada na desigualdade social e ao acesso à cidade, para parte da população apenas. O Movimento pela Reforma Urbana (MPRF) ao longo de anos vem pleiteando a regularização fundiária e, diante de suas conquistas, vislumbramos pouco progresso. Observa-se um padrão nacional de produção desigual do espaço onde o município de Cruzeiro apresenta características semelhantes a esse padrão, baseada na periferização da cidade e segregação sócioespacial. Nesse sentido, a pesquisa apoia-se no conceito de patrimonialismo, herdado da Coroa portuguesa durante o processo de colonização no Brasil, para confirmar a segregação sócioespacial diante da modernização conservadora que ocorreu na cidade de Cruzeiro.

    DISSERTAÇÕES 2017
    Título Violência e território na escala do urbano e regional : análise espacial do homicídio doloso no município de Lorena/SP inserido no contexto da região metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte – RMVPLN


    http://biblioteca.univap.br//dados//000037/00003778.pdf
    Autor(a) Eduardo Venanzoni
    Orientação Prof. Dr. Pedro Ribeiro Moreira Neto
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo A presente pesquisa aborda a questão do crime violento - expressão cruel do fenômeno da violência urbana que vem se constituindo, nas últimas décadas, uma das maiores preocupações da sociedade brasileira contemporânea - a partir da análise do crime tipificado por homicídio doloso, tendo por dimensão espacial duas escalas distintas: regional e urbana. Para a primeira, foi desenvolvida uma análise descritiva da incidência e crescimento do crime de homicídio na Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte (RMVPLN), entre os anos de 2004 e 2014, por meio de método utilizado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) para elaboração do ?Mapa da Violência do Brasil?, que se utiliza de dados oficiais disponibilizados pelo Sistema de Informações sobre Mortalidade, mantido pelo Ministério da Saúde. Já para a escala urbana, foi realizada análise do crime de homicídio doloso no município de Lorena/SP, por meio de consulta aos registros oficiais da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo referente aos anos entre 2010 e 2016, examinando, através de uma abordagem territorial, suas relações com o processo histórico de urbanização e as correlações estatísticas entre os índices de homicídio doloso e os índices de bem-estar urbano. Para tanto, na dimensão urbana, tendo por base territorial as Unidades Territoriais de Planejamento (UTPs) estabelecidas no Plano Diretor (2016) - que obedecem aos limites dos setores censitários demarcados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para realização do Censo Demográfico - foram elaborados mapas que serviram para a construção e ilustração dos indicadores sociais que representam a taxa bayesiana de homicídio doloso, medidas pelo local da ocorrência do fato e pelo endereço de residência da vítima, assim como do índice que representa as condições físico-territoriais do ambiente urbano construído, elaborado por meio do método apresentado pelo Observatório das Metrópoles, vinculado ao Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IPPLUR ? UFRJ), denominado Indicador do Bem-Estar Urbano (IBEU). Como resultado, foi apresentada, por meio de um conjunto de tabelas e gráficos, a evolução do homicídio na RMVPLN entre os anos 2004 e 2014, incluindo um detalhamento de aspectos ligados ao homicídio de jovens, homicídio de mulheres e homicídios por arma de fogo para os maiores municípios da região. Além disso, na escala urbana, a partir da técnica estatística de correlação linear, foi possível inferir que entre os anos de 2010 e 2016, na cidade de Lorena, 31,62% dos casos registrados de homicídio doloso, assim como 42,39% da vitimação desse tipo de crime, podem ser explicados pelas condições de bem-estar urbano que os moradores vivenciam.
    Título O rio é nosso quintal : as encruzilhadas de uma comunidade Ribeirinha Urbana


    http://biblioteca.univap.br//dados//00002e/00002e12.pdf
    Autor(a) Flavia dos Santos Cardoso
    Orientação Prof. Dr. Paulo Romano
    Profa. Dra. Cilene Gomes
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo O presente projeto visa discutir a realidade dos habitantes da comunidade ribeirinha Beira Rio, inserida involuntariamente dentro da malha urbana da cidade de São José dos Campos, SP, localizada no bairro Urbanova. Esses ribeirinhos vivem sob o medo constante de serem removidos por estarem situados em Área de Proteção Permanente e de risco, sofrem com a omissão e descaso do poder público, exclusão e segregação socioespacial e problemas socioambientais. Partindo do diagnóstico socioeconômico realizado com os ribeirinhos, observação participante e pesquisa quantitativa aplicada a 52 moradores que aceitaram responder ao questionário, este trabalho procurou visualizar as principais encruzilhadas socioespaciais e territoriais que os ribeirinhos da Beira Rio enfrentam. É importante mencionar que cada capítulo do presente trabalho é mesmo uma encruzilhada, uma vez que o desdobramento de um interfere e/ou reflete no outro e juntos dão unidade à trama da dissertação. Os resultados obtidos propõe que há possibilidade de regularização fundiária em Área de Preservação Permanente em casos específicos como os dos ribeirinhos da Beira Rio, porém, na condição de comunidade tradicional, a existência e permanência da Beira Rio dependem do interesse do poder público em efetivar a territorialização de políticas públicas em comunidades ribeirinhas.
    Título Fluxos de capitais imobiliários e seus impactos no espaço urbano : uma análise dos Municípios de São José dos Campos e Taubaté


    http://biblioteca.univap.br//dados//00002a/00002ac3.pdf
    Autor(a) Deivid Galdin Silva
    Orientação Profa. Dra. Adriane Aparecida Moreira de Souza
    Profa. Dra. Cilene Gomes
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo A presente pesquisa procura discutir a circulação de capitais imobiliários e as transformações ocorridas no processo de urbanização nos municípios de São José dos Campos e Taubaté, estado de São Paulo, após o lançamento do Programa Minha Casa Minha Vida em 2009. Para este estudo foram utilizados dados referentes à pesquisa bibliográfica discutindo a relação entre mercado imobiliário, Estado e propriedade privada, e dados estatísticos de órgãos oficiais, e as leis criadas em âmbito nacional e municipal que possibilitaram a ampliação da oferta dos produtos imobiliários, além de dados das instituições privadas do setor imobiliário. Durante a pesquisa percebeu-se características distintas dos municípios de São José dos Campos e Taubaté referentes à criação de leis que viabilizassem a atuação do setor imobiliário/financeiro, assim como a participação destas instituições nos municípios. Perceberam-se também diferentes impactos após 2010, com queda mais acentuada dos investimentos, no entanto, nos dois municípios os investimentos se concentram em zonas onde residem os moradores com os maiores rendimentos.
    Título A configuração do lote urbano diante dos limites e perspectivas da construção do cadastro multifinalitário em Ponta de Pedras, PA


    http://biblioteca.univap.br//dados//00002e/00002e1b.pdf
    Autor(a) Juliano Vieira de Paula
    Orientação Profa. Dra. Sandra Maria Fonseca da Costa
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo A formação urbana no mundo contemporâneo é ,sobretudo, fragmentada e articulada na cidade. A nova divisão cria subespaços voltados a uma lógica global e, nesse sentido, a população busca a cidade como meio de prosperar. Especificamente na região Norte, a urbanização ocorreu de forma tardia e por uma estratégia de governo desenvolvimentista. A rede urbana da Região foi ampliada, mas os problemas urbanos se acentuaram, como reflexo de uma fraca infraestrutura urbana que remete a tempos pretéritos. Esta realidade cria um cenário de uma cidade ilegal, na qual o lote urbano, quanto a sua demarcação e a sua titularidade, apresenta-se como um elemento da forma urbana a ser compreendido. Neste contexto, o presente estudo tem como objetivo geral analisar o processo de divisão da terra urbana em uma pequena cidade do estuário do rio Amazonas, Ponta de Pedras, a partir da compreensão do que é o lote e de seu processo de divisão, sob a perspectiva de um cadastro multifinalitário. Para tal compreensão, foi utilizado software de Sistema de Informação Geográfica e a intersecção com dados analógicos do cadastro de imóveis da prefeitura municipal. A área de estudo se concentrou na rua Siqueira Mendes, onde houve o maior incremento de lotes nas últimas duas décadas. Os lotes da rua estudada se configuram por dimensões variadas e com metragens irregulares, resultado de um processo de ocupação irregular, interferindo na dimensão real do lote.
    Título A configuração do lote urbano diante dos limites e perspectivas da construção do cadastro multifinalitário em Ponta de Pedras, PA


    http://biblioteca.univap.br//dados//00002e/00002e1b.pdf
    Autor(a) Juliano Vieira de Paula
    Orientação Profa. Dra. Sandra Maria Fonseca da Costa
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo A formação urbana no mundo contemporâneo é ,sobretudo, fragmentada e articulada na cidade. A nova divisão cria subespaços voltados a uma lógica global e, nesse sentido, a população busca a cidade como meio de prosperar. Especificamente na região Norte, a urbanização ocorreu de forma tardia e por uma estratégia de governo desenvolvimentista. A rede urbana da Região foi ampliada, mas os problemas urbanos se acentuaram, como reflexo de uma fraca infraestrutura urbana que remete a tempos pretéritos. Esta realidade cria um cenário de uma cidade ilegal, na qual o lote urbano, quanto a sua demarcação e a sua titularidade, apresenta-se como um elemento da forma urbana a ser compreendido. Neste contexto, o presente estudo tem como objetivo geral analisar o processo de divisão da terra urbana em uma pequena cidade do estuário do rio Amazonas, Ponta de Pedras, a partir da compreensão do que é o lote e de seu processo de divisão, sob a perspectiva de um cadastro multifinalitário. Para tal compreensão, foi utilizado software de Sistema de Informação Geográfica e a intersecção com dados analógicos do cadastro de imóveis da prefeitura municipal. A área de estudo se concentrou na rua Siqueira Mendes, onde houve o maior incremento de lotes nas últimas duas décadas. Os lotes da rua estudada se configuram por dimensões variadas e com metragens irregulares, resultado de um processo de ocupação irregular, interferindo na dimensão real do lote.
    Título Exclusão e segregação socioespacial na região metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte - SP : Uma análise do Programa Minha Casa Minha Vida Faixa 1 e da vulnerabilidade social


    http://biblioteca.univap.br//dados//000037/00003772.pdf
    Autor(a) Daniela das Neves Alvarenga
    Orientação Prof. Dr. Paulo Romano Reschilian
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo Este trabalho contribui para leitura da questão habitacional e urbana na Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte, situada no estado de São Paulo, no período de 2009 a 2016. A exclusão e a segregação socioespacial foram estudadas a partir da articulação da inserção urbana dos empreendimentos Minha Casa Minha Vida (MCMV) ? Faixa 1 e das expressões de vulnerabilidade social existentes no território - conforme Índice de Vulnerabilidade Social (IVS) elaborado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada -, com as diretrizes da Política Nacional de Habitação. Foi realizada uma análise intraurbana dos onze municípios atendidos pelo programa MCMV (Cruzeiro, Guaratinguetá, Jacareí, Caçapava, Lorena, Pindamonhangaba, Caraguatatuba, São José dos Campos, Taubaté, Canas e Potim) com o objetivo de levantar em que medida o programa promoveu o direito à moradia digna, entendido como indissociável do direito à cidade. A análise dos resultados revelou que 81 % das unidades habitacionais foram construídas em locais com muito baixa e baixa vulnerabilidade social relativa à infraestrutura e à renda e trabalho. No entanto, o mapeamento do IVS capital humano, referente à saúde e, especialmente à educação, apontou a construção de 62 % das moradias em áreas com média e alta vulnerabilidade social, com destaque para os municípios de São José dos Campos e Pindamonhangaba. O indicador de vulnerabilidade social sintético apontou a construção de 71 % das unidades em locais com baixa vulnerabilidade. Os resultados da análise da inserção urbana, a partir da relação centro-periferia, associada às legislações de uso e controle do solo e aos planos locais de habitação, revelaram o espraiamento urbano e a periferização em todos os municípios atendidos pelo programa. As conclusões alcançadas neste trabalho apontam a exclusão e a segregação socioespacial por meio da política habitacional municipal, refletindo a negação do direito à moradia digna como vetor de inclusão social na região metropolitana.
    Título Fluxos de capitais imobiliários e seus impactos no espaço urbano : uma análise dos Municípios de São José dos Campos e Taubaté


    http://biblioteca.univap.br//dados//00002a/00002ac3.pdf
    Autor(a) Deivid Galdin Silva
    Orientação Profa. Dra. Adriane Aparecida Moreira de Souza

    Profa. Dra. Cilene Gomes
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo A presente pesquisa procura discutir a circulação de capitais imobiliários e as transformações ocorridas no processo de urbanização nos municípios de São José dos Campos e Taubaté, estado de São Paulo, após o lançamento do Programa Minha Casa Minha Vida em 2009. Para este estudo foram utilizados dados referentes à pesquisa bibliográfica discutindo a relação entre mercado imobiliário, Estado e propriedade privada, e dados estatísticos de órgãos oficiais, e as leis criadas em âmbito nacional e municipal que possibilitaram a ampliação da oferta dos produtos imobiliários, além de dados das instituições privadas do setor imobiliário. Durante a pesquisa percebeu-se características distintas dos municípios de São José dos Campos e Taubaté referentes à criação de leis que viabilizassem a atuação do setor imobiliário/financeiro, assim como a participação destas instituições nos municípios. Perceberam-se também diferentes impactos após 2010, com queda mais acentuada dos investimentos, no entanto, nos dois municípios os investimentos se concentram em zonas onde residem os moradores com os maiores rendimentos.
    Título O rio é nosso quintal : as encruzilhadas de uma comunidade Ribeirinha Urbana


    http://biblioteca.univap.br//dados//00002e/00002e12.pdf
    Autor(a) Flavia dos Santos Cardoso
    Orientação Prof. Dr. Paulo Romano

    Profa. Dra. Cilene Gomes
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo O presente projeto visa discutir a realidade dos habitantes da comunidade ribeirinha Beira Rio, inserida involuntariamente dentro da malha urbana da cidade de São José dos Campos, SP, localizada no bairro Urbanova. Esses ribeirinhos vivem sob o medo constante de serem removidos por estarem situados em Área de Proteção Permanente e de risco, sofrem com a omissão e descaso do poder público, exclusão e segregação socioespacial e problemas socioambientais. Partindo do diagnóstico socioeconômico realizado com os ribeirinhos, observação participante e pesquisa quantitativa aplicada a 52 moradores que aceitaram responder ao questionário, este trabalho procurou visualizar as principais encruzilhadas socioespaciais e territoriais que os ribeirinhos da Beira Rio enfrentam. É importante mencionar que cada capítulo do presente trabalho é mesmo uma encruzilhada, uma vez que o desdobramento de um interfere e/ou reflete no outro e juntos dão unidade à trama da dissertação. Os resultados obtidos propõe que há possibilidade de regularização fundiária em Área de Preservação Permanente em casos específicos como os dos ribeirinhos da Beira Rio, porém, na condição de comunidade tradicional, a existência e permanência da Beira Rio dependem do interesse do poder público em efetivar a territorialização de políticas públicas em comunidades ribeirinhas.
    Título Violência e território na escala do urbano e regional : análise espacial do homicídio doloso no município de Lorena/SP inserido no contexto da região metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte – RMVPLN


    http://biblioteca.univap.br//dados//000037/00003778.pdf
    Autor(a) Eduardo Venanzoni
    Orientação Prof. Dr. Pedro Ribeiro Moreira Neto
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo A presente pesquisa aborda a questão do crime violento - expressão cruel do fenômeno da violência urbana que vem se constituindo, nas últimas décadas, uma das maiores preocupações da sociedade brasileira contemporânea - a partir da análise do crime tipificado por homicídio doloso, tendo por dimensão espacial duas escalas distintas: regional e urbana. Para a primeira, foi desenvolvida uma análise descritiva da incidência e crescimento do crime de homicídio na Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte (RMVPLN), entre os anos de 2004 e 2014, por meio de método utilizado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) para elaboração do ?Mapa da Violência do Brasil?, que se utiliza de dados oficiais disponibilizados pelo Sistema de Informações sobre Mortalidade, mantido pelo Ministério da Saúde. Já para a escala urbana, foi realizada análise do crime de homicídio doloso no município de Lorena/SP, por meio de consulta aos registros oficiais da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo referente aos anos entre 2010 e 2016, examinando, através de uma abordagem territorial, suas relações com o processo histórico de urbanização e as correlações estatísticas entre os índices de homicídio doloso e os índices de bem-estar urbano. Para tanto, na dimensão urbana, tendo por base territorial as Unidades Territoriais de Planejamento (UTPs) estabelecidas no Plano Diretor (2016) - que obedecem aos limites dos setores censitários demarcados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para realização do Censo Demográfico - foram elaborados mapas que serviram para a construção e ilustração dos indicadores sociais que representam a taxa bayesiana de homicídio doloso, medidas pelo local da ocorrência do fato e pelo endereço de residência da vítima, assim como do índice que representa as condições físico-territoriais do ambiente urbano construído, elaborado por meio do método apresentado pelo Observatório das Metrópoles, vinculado ao Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IPPLUR ? UFRJ), denominado Indicador do Bem-Estar Urbano (IBEU). Como resultado, foi apresentada, por meio de um conjunto de tabelas e gráficos, a evolução do homicídio na RMVPLN entre os anos 2004 e 2014, incluindo um detalhamento de aspectos ligados ao homicídio de jovens, homicídio de mulheres e homicídios por arma de fogo para os maiores municípios da região. Além disso, na escala urbana, a partir da técnica estatística de correlação linear, foi possível inferir que entre os anos de 2010 e 2016, na cidade de Lorena, 31,62% dos casos registrados de homicídio doloso, assim como 42,39% da vitimação desse tipo de crime, podem ser explicados pelas condições de bem-estar urbano que os moradores vivenciam.

    DISSERTAÇÕES 2016
    Título Interdependências no espaço regional : deslocamentos pendulares e planejamento da mobilidade na sub-região 1 da região metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte


    http://biblioteca.univap.br//dados//000021/00002134.pdf
    Autor(a) Silvia Regina Rodrigues dos Santos
    Orientação Profa. Dra. Adriane Aparecida Moreira de Souza
    Profa. Dra. Cilene Gomes
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo Os desequilíbrios inter e intrarregionais resultantes das diferenciações econômicas do espaço forçam muitas vezes parte da população a colocar-se em movimento pendular constante, uma vez que as desigualdades regionais são fatores condicionantes para que as pessoas optem em buscar em outros lugares o que o seu Município de origem não oferece. Assim como em outras Regiões Metropolitanas do Brasil, essa é uma realidade perceptível também na Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte (RMVPLN). Esta é composta por 39 Municípios e está dividida em 5 Sub-Regiões que agrupam atividades econômicas variadas. Consequentemente, alguns Municípios são dotados de melhor infraestrutura que outros, fato que evidencia a formação de novas centralidades na Região. Em razão disso, dados de 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) demonstram que existe um volume considerável de pessoas que se deslocam, por motivo de estudo ou trabalho no interior RMVPLN, principalmente na Sub-Região 1. Composta pelos Municípios de Caçapava, Igaratá, Jacareí, Jambeiro, Monteiro Lobato, Paraibuna, Santa Branca e São José dos Campos. A Sub-Região 1 com 975.338 habitantes no ano de 2010 é a que concentra o maior contingente populacional da RMVPLN. Entre os Municípios, São José dos Campos é o que apresenta os maiores indicadores econômicos e de qualidade de vida e também apresenta o maior fluxo de destino dos deslocamentos pendulares por estudo e trabalho no ano de 2010. As interações intrarregional e inter-regional ocorrem por meio das Rodovias Presidente Dutra (BR-116), Carvalho Pinto (SP-70), dos Tamoios (SP-99), Monteiro Lobato (SP-50), Rodovia Nilo Máximo (SP-77) e da Estrada Velha Rio-São Paulo (SP-66). Dados do IBGE para o ano de 2010 referentes às variáveis de deslocamento por motivo de estudo e trabalho, revelam a origem e o destino dos fluxos na Sub-Região 1, ao mesmo tempo que expressam as carências locais e a heterogeneidade regional.
    Título Ocupações irregulares em pequenas cidades da Amazônia: um estudo em Vila dos Cabanos, Barcarena, Pará, no período de 2005 a 2015


    http://biblioteca.univap.br//dados//000023/000023c4.pdf
    Autor(a) Bruno Henrique Colombari Moreira
    Orientação Profa. Dra. Sandra Maria Fonseca da Costa
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo O processo de urbanização brasileira teve seu momento mais expressivo a partir da segunda metade do século XX e provocou profundas transformações sociais, culturais e ambiental. Na Amazônia, esse processo se intensificou e, principalmente a partir da década de 1970, após as políticas de incentivo à ocupação e desenvolvimento da região Amazônica. O município de Barcarena, localizado no Estado do Pará foi alvo de investimentos públicos e privados, recebendo a instalação do complexo industrial da Albrás/Alunorte em Vila dos Cabanos, uma cidade-empresa criada para atender às demandas desse complexo industrial. Após a instalação desse projeto, foi verificado um intenso fluxo migratório em direção ao município de Barcarena, principalmente de municípios vizinhos e um fluxo grande de população oriunda do Nordeste. A infraestrutura criada não foi suficiente para atender às demandas habitacionais, dando margem às ocupações de novos espaços urbanos em Vila dos Cabanos. Nesse sentido, caracteriza-se como objetivo principal dessa pesquisa, compreender como a área de ocupação irregular na cidade de Vila dos Cabanos em Barcarena se estruturou e conhecer o perfil socioeconômico dos moradores. Para alcançar os objetivos da pesquisa, foi aplicado um formulário aos moradores de uma área de ocupação irregular no município, a coleta, análise de dados institucionais e a realização de mapeamentos referentes à área de estudo. Um dos resultados levantados foi em relação ao local de nascimento dos moradores da área estudada, em que 72% dos entrevistados são oriundos de outros municípios do Estado do Pará, confirmando a forte atração que Barcarena exerce na escala regional. Dentre os principais motivos mencionados pelos moradores foi a busca pela casa própria (38% das respostas), aliado ao alto custo de vida em Vila dos Cabanos. Um dos aspectos que a pesquisa permitiu alcançar foi quanto ao principal papel do município de Barcarena e, mais precisamente, da dinâmica econômica proporcionada por Vila dos Cabanos em um contexto regional. A atração que a indústria e os demais serviços que a cidade oferece determina a escolha da população de outros municípios do Pará e outros estados a migrarem para o local, sendo que muitas vezes esse fluxo ocorre de maneira desordenada e fora do controle das autoridades governamentais.
    Título Regionalização da saúde e acesso à mamografia : uma análise da região de saúde do Vale do Paraíba Paulista e Litoral Norte


    http://biblioteca.univap.br//dados//000026/000026b2.pdf
    Autor(a) Patrícia de Almeida Silva
    Orientação Profa. Dra. Paula Vilhena Carnevale Vianna
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo Análises da influencia do processo de regionalização na tomada de decisão para implantação de politicas publicas voltadas ao controle do cancer de mama indicam que as mulheres pertencentes nas regiões mais afastadas dos grandes centros urbanos e induatrializados têm menor acesso aos serviços de mamografia de rastreamento bem e que a dificuldade no acesso pode influenciar no resultado quanto aos indices de malignidade ( BI-Rads) e que a vulnerabilidade das mulheres para o câncer de mama revelam que, no Brasil, mulheres negras e menos instruídas têm menor acesso à mamografia de rastreamento, o exame que permite a detecção precoce do câncer. Desde 2006, o controle do câncer de mama é política prioritária no SUS. Este estudo tem como objetivo analisar a série histórica de exames de mamografia de rastreamento realizados pelo SUS no período de 2010 a 2014, na Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte ? RMVale, para investigar se houve aumento na oferta do exame, se há uma relação entre o indicio de malignidade por região de saúde e por tipologia ( caracteristicas socias e economicas ) assim como identificar qual a caracterização dessas mulheres em relação ao grau de instrução, cor e faixa etaria. A partir de dados obtidos do SISMAMA ? Sistema de Informação do Câncer de Mama do Ministério da Saúde ? realizou-se análise descritiva por meio do programa Origin 7.5 (MicroCal) e o programa de georeferenciamento para geração de mapas que demosntram o fluxo das mulheres que realizaram os exames de mamografia na região ao longo do periodo de 2010 a 2014.Observou-se significativo índice de não preenchimento dos campos do formulário que alimentam o SISMAMA. A análise mostrou aumento expressivo na oferta e na razão de mamografias de rastreamento, porém os dados disponíveis revelam persistência de desigualdade de acesso: mulheres de cor negra/parda e com menor instrução apresentaram menor percentual de acesso à mamografia; a tendência de maior grau de malignidade no exame radiológico foi observada em mulheres com menor grau de instrução e mulheres de cor branca. A regionalização ampliou o acesso à mamografia, porém as regiões como Circuito da Fé necessitam de politicas publicas voltadas a efetivação da equidade e acesso aos serviços de saúde as mulheres em situação de vulnerabilidade devem receber atenção especial da rede de serviços. O preenchimento dos formulários deve ser incentivado
    Título Regionalização da saúde e acesso à mamografia : uma análise da região de saúde do Vale do Paraíba Paulista e Litoral Norte


    http://biblioteca.univap.br//dados//000026/000026b2.pdf
    Autor(a) Patrícia de Almeida Silva
    Orientação Profa. Dra. Paula Vilhena Carnevale Vianna
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo Análises da influencia do processo de regionalização na tomada de decisão para implantação de politicas publicas voltadas ao controle do cancer de mama indicam que as mulheres pertencentes nas regiões mais afastadas dos grandes centros urbanos e induatrializados têm menor acesso aos serviços de mamografia de rastreamento bem e que a dificuldade no acesso pode influenciar no resultado quanto aos indices de malignidade ( BI-Rads) e que a vulnerabilidade das mulheres para o câncer de mama revelam que, no Brasil, mulheres negras e menos instruídas têm menor acesso à mamografia de rastreamento, o exame que permite a detecção precoce do câncer. Desde 2006, o controle do câncer de mama é política prioritária no SUS. Este estudo tem como objetivo analisar a série histórica de exames de mamografia de rastreamento realizados pelo SUS no período de 2010 a 2014, na Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte ? RMVale, para investigar se houve aumento na oferta do exame, se há uma relação entre o indicio de malignidade por região de saúde e por tipologia ( caracteristicas socias e economicas ) assim como identificar qual a caracterização dessas mulheres em relação ao grau de instrução, cor e faixa etaria. A partir de dados obtidos do SISMAMA ? Sistema de Informação do Câncer de Mama do Ministério da Saúde ? realizou-se análise descritiva por meio do programa Origin 7.5 (MicroCal) e o programa de georeferenciamento para geração de mapas que demosntram o fluxo das mulheres que realizaram os exames de mamografia na região ao longo do periodo de 2010 a 2014.Observou-se significativo índice de não preenchimento dos campos do formulário que alimentam o SISMAMA. A análise mostrou aumento expressivo na oferta e na razão de mamografias de rastreamento, porém os dados disponíveis revelam persistência de desigualdade de acesso: mulheres de cor negra/parda e com menor instrução apresentaram menor percentual de acesso à mamografia; a tendência de maior grau de malignidade no exame radiológico foi observada em mulheres com menor grau de instrução e mulheres de cor branca. A regionalização ampliou o acesso à mamografia, porém as regiões como Circuito da Fé necessitam de politicas publicas voltadas a efetivação da equidade e acesso aos serviços de saúde as mulheres em situação de vulnerabilidade devem receber atenção especial da rede de serviços. O preenchimento dos formulários deve ser incentivado
    Título Ocupações irregulares em pequenas cidades da Amazônia: um estudo em Vila dos Cabanos, Barcarena, Pará, no período de 2005 a 2015


    http://biblioteca.univap.br//dados//000023/000023c4.pdf
    Autor(a) Bruno Henrique Colombari Moreira
    Orientação Profa. Dra. Sandra Maria Fonseca da Costa
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo O processo de urbanização brasileira teve seu momento mais expressivo a partir da segunda metade do século XX e provocou profundas transformações sociais, culturais e ambiental. Na Amazônia, esse processo se intensificou e, principalmente a partir da década de 1970, após as políticas de incentivo à ocupação e desenvolvimento da região Amazônica. O município de Barcarena, localizado no Estado do Pará foi alvo de investimentos públicos e privados, recebendo a instalação do complexo industrial da Albrás/Alunorte em Vila dos Cabanos, uma cidade-empresa criada para atender às demandas desse complexo industrial. Após a instalação desse projeto, foi verificado um intenso fluxo migratório em direção ao município de Barcarena, principalmente de municípios vizinhos e um fluxo grande de população oriunda do Nordeste. A infraestrutura criada não foi suficiente para atender às demandas habitacionais, dando margem às ocupações de novos espaços urbanos em Vila dos Cabanos. Nesse sentido, caracteriza-se como objetivo principal dessa pesquisa, compreender como a área de ocupação irregular na cidade de Vila dos Cabanos em Barcarena se estruturou e conhecer o perfil socioeconômico dos moradores. Para alcançar os objetivos da pesquisa, foi aplicado um formulário aos moradores de uma área de ocupação irregular no município, a coleta, análise de dados institucionais e a realização de mapeamentos referentes à área de estudo. Um dos resultados levantados foi em relação ao local de nascimento dos moradores da área estudada, em que 72% dos entrevistados são oriundos de outros municípios do Estado do Pará, confirmando a forte atração que Barcarena exerce na escala regional. Dentre os principais motivos mencionados pelos moradores foi a busca pela casa própria (38% das respostas), aliado ao alto custo de vida em Vila dos Cabanos. Um dos aspectos que a pesquisa permitiu alcançar foi quanto ao principal papel do município de Barcarena e, mais precisamente, da dinâmica econômica proporcionada por Vila dos Cabanos em um contexto regional. A atração que a indústria e os demais serviços que a cidade oferece determina a escolha da população de outros municípios do Pará e outros estados a migrarem para o local, sendo que muitas vezes esse fluxo ocorre de maneira desordenada e fora do controle das autoridades governamentais.
    Título Interdependências no espaço regional : deslocamentos pendulares e planejamento da mobilidade na sub-região 1 da região metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte


    http://biblioteca.univap.br//dados//000021/00002134.pdf
    Autor(a) Silvia Regina Rodrigues dos Santos
    Orientação Profa. Dra. Adriane Aparecida Moreira de Souza

    Profa. Dra. Cilene Gomes
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo Os desequilíbrios inter e intrarregionais resultantes das diferenciações econômicas do espaço forçam muitas vezes parte da população a colocar-se em movimento pendular constante, uma vez que as desigualdades regionais são fatores condicionantes para que as pessoas optem em buscar em outros lugares o que o seu Município de origem não oferece. Assim como em outras Regiões Metropolitanas do Brasil, essa é uma realidade perceptível também na Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte (RMVPLN). Esta é composta por 39 Municípios e está dividida em 5 Sub-Regiões que agrupam atividades econômicas variadas. Consequentemente, alguns Municípios são dotados de melhor infraestrutura que outros, fato que evidencia a formação de novas centralidades na Região. Em razão disso, dados de 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) demonstram que existe um volume considerável de pessoas que se deslocam, por motivo de estudo ou trabalho no interior RMVPLN, principalmente na Sub-Região 1. Composta pelos Municípios de Caçapava, Igaratá, Jacareí, Jambeiro, Monteiro Lobato, Paraibuna, Santa Branca e São José dos Campos. A Sub-Região 1 com 975.338 habitantes no ano de 2010 é a que concentra o maior contingente populacional da RMVPLN. Entre os Municípios, São José dos Campos é o que apresenta os maiores indicadores econômicos e de qualidade de vida e também apresenta o maior fluxo de destino dos deslocamentos pendulares por estudo e trabalho no ano de 2010. As interações intrarregional e inter-regional ocorrem por meio das Rodovias Presidente Dutra (BR-116), Carvalho Pinto (SP-70), dos Tamoios (SP-99), Monteiro Lobato (SP-50), Rodovia Nilo Máximo (SP-77) e da Estrada Velha Rio-São Paulo (SP-66). Dados do IBGE para o ano de 2010 referentes às variáveis de deslocamento por motivo de estudo e trabalho, revelam a origem e o destino dos fluxos na Sub-Região 1, ao mesmo tempo que expressam as carências locais e a heterogeneidade regional.

    DISSERTAÇÕES 2015
    Título Sociedade e natureza: análise da paisagem e da ocupação urbana em ambiente de várzea de uma pequena cidade do Estuário Amazônico: Ponta de Pedras – PA


    http://biblioteca.univap.br//dados//000013/0000138c.pdf
    Autor(a) Ed Carlos dos Santos Valota
    Orientação Profa. Dra. Sandra Maria Fonseca da Costa
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo O processo de expansão urbana nas pequenas, médias e grandes cidades amazônicas tem sido crescente. Muitos moradores ribeirinhos rurais se mudam para os centros urbanos em busca de melhorias para a qualidade de vida da família, como por exemplo, melhores condições de estudo, empregos, acesso à infraestrutura básica, saúde, entre outros. Uma parcela dessa população vai habitar as áreas periféricas das cidades, conhecidas como áreas periurbanas, pois ainda, nesses locais, as relações entre rural e urbano se misturam. Entretanto, na Amazônia, as áreas de várzea fazem parte das periferias das cidades, onde, esses locais sofrem fortes estresses em função da variação das marés e alteração do nível dos rios. A população de baixíssima renda, que na maioria das vezes depende dos benefícios e empregos do governo, é quem vai ocupar esses ambientes. Apesar da vida dura, motivada pela dinâmica das marés nessa região, a população que ocupa as várzeas já está habituada ao ritmo do local. Ainda que as cidades amazônicas possuam áreas de terra firme que possibilitem o assentamento humano, alguns moradores ribeirinhos optam por construir suas casas de palafitas nos ambientes de várzea. O crescimento urbano das cidades em direção às áreas de várzea tem transformado as paisagens da Amazônia. Desta forma, essa dissertação tem como objetivo investigar o por que dos moradores ribeirinhos do Bairro Carnapijó, localizado na pequena cidade de Ponta de Pedras, na Ilha do Marajó, optarem por construir suas casas sobre as águas ao invés de escolherem morar em terra firme. A população que ocupa o Bairro Carnapijó, em sua maioria, é composta por famílias numerosas que possuem baixos rendimentos e dependem dos benefícios do Governo, como o Bolsa Família. Mais da metade desses moradores nasceuno próprio município. O Poder Público informa que em um primeiro momento a área foi ocupada por decisões e interesses políticos. Porém, na atualidade as pessoas optam por morar nesses locais alagadiços em função de suas condições econômicas. Desta forma, a ocupação urbana está transformando a paisagem natural da várzea na cidade de Ponta de Pedras, correndo o risco de perda de serviços ambientais, tendo como responsáveis a Administração Pública e a população. Nesse sentido, compreender esse processo de crescimento urbano pode auxiliar a subsidiar ações que colaborem com o planejamento urbano das cidades amazônicas.
    Título A singularidade do urbano de Barcarena, como cidade ribeirinha da região Amazônica


    http://biblioteca.univap.br//dados//00001c/00001cb5.pdf
    Autor(a) Monique Bruna Silva do Carmo
    Orientação Profa. Dra. Sandra Maria Fonseca da Costa
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo O processo de aceleração da urbanização nas pequenas cidades da Amazônia nas ultimas décadas tem transformado o cenário regional e local dessas cidades, o que possibilitou transformações no que diz respeito às relações sócio-espacial e ambiental. Estas alterações no espaço, tanto urbano quanto rural, vem ocorrendo, mais intensamente, desde a década de 1960, na Região. Segundo Costa, Brondizio e Montoia (2009), essa urbano da Amazônia tem a predominância de pequenos aglomerados urbanos, os quais possuem uma fraca infraestrutura e uma economia fortemente dependente de recursos públicos. Apesar dessa predominância, esse urbano é bastante heterogêneo, existindo cidades fortemente dependentes e conectadas aos recursos da floresta, até cidades vinculadas à economia de mercado e à indústria. Em relação à Barcarena, uma pequena cidade da Amazônia localizada no estado do Pará e parte da área metropolitana de Belém, percebe-se que a cidade encontra-se em constante dinâmica em relação à população tanto urbana quanto rural. Apesar de possuir uma população rural maior do que a urbana, sua economia é movida por uma indústria de transformação, o que desperta curiosidade no sentido de conhecer esse paradoxo. Neste sentido, o presente projeto, o qual faz parte de um estudo maior sobre as pequenas cidades da Amazônia, objetiva estudar a importância da cidade de Barcarena (PA), localizada no estuário do rio Amazonas, na rede urbana da Região Amazônica. Pretende-se analisar os seus aspectos que estão transformando o espaço urbano dessa cidade e os agentes estruturadores do espaço responsáveis por essas mudanças. Assim como compreender a sua importância na rede urbana, em termos socioeconômicos. Esta cidade foi escolhida para ser estudada por aparentar uma grande dinâmica urbana e rural, das quais ambas tem-se mostrado significante para a economia regional, aspectos fundamentais para compreendermos os contrapontos existentes entre o espaço urbano e rural.
    Título Políticas públicas e a estruturação de um programa para o combate à violência doméstica : caminhos do Programa Aquarela, São José dos Campos, SP


    http://biblioteca.univap.br//dados//00001b/00001b11.pdf
    Autor(a) Ilka Ramos
    Orientação Profa. Dra. Paula Vilhena Carnevale Vianna
    Prof. Dr. Antonio Carlos Machado Guimarães
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo O presente trabalho teve como objetivo levantar e discutir questões relativas a um programa de política pública para o combate à violência instituído em 2000 em um município paulista de médio porte, mais especificamente compreender a criação e as motivações para a implantação de uma rede municipal de apoio intersetorial para o enfrentamento às situações de violência doméstica contra crianças e adolescentes; quais as articulações construídas para sua implementação e quais os desdobramentos decorrentes desta primeira proposta, bem como a relação com as políticas de âmbito nacional e estadual. A preocupação com a questão da violência doméstica contra a criança e o adolescente vem crescendo significativamente na contemporaneidade, embora seja sabido que esse fenômeno esteve sempre presente nos núcleos familiares. O Programa Aquarela, investigado neste estudo, resulta de política pública intersetorial com atuação das áreas da saúde, serviço social, desenvolvida por diferentes órgãos do Estado, incluindo também a área da educação para o atendimento das vítimas. Instituído na cidade de São José dos Campos, compreende um modelo assistencial gratuito configurado como rede de apoio intersetorial. Em 2013, em decorrência da reorganização da Rede de Assistência Social, com a implantação do Serviço Único de Assistência Social (SUAS) ocorre a implementação dos serviços voltados às famílias vítimas de violência pelo CREAS ? Centro de Referência Especializado da Assistência Social e o Programa tornou-se serviço, um Centro de Referência Especializado em Assistência Social vinculado à Secretaria de Desenvolvimento Social. Com base nos conceitos do neoinstitucionalismo histórico, a análise abordou a contextualização nos campos legislativo (leis e regulamentações relacionadas ao tema), da política e gestão dos serviços, bem como as narrativas de sete profissionais, agentes envolvidos na implantação e implementação do programa e serviço. Como resultado da presente pesquisa conclui-se que para análise de uma política voltada ao enfrentamento da violência doméstica contra criança e adolescente é importante compreender as regras e histórias de vida das pessoas envolvidas, tendo como contexto o previsto em lei relacionado à temática, numa constante busca de adequação das demandas locais frente ao sistema implementado pela legislação nacional, estadual e municipal, observando que as regulamentações influenciam, mas não definem os caminhos da política a ser implantada.
    Título Novas Formas de urbanização, estudos de condomínios fechados relacionados ao Programa "Minha Casa Minha Vida", Jacareí, São Paulo


    http://biblioteca.univap.br//dados//000014/0000142a.pdf
    Autor(a) Ionice Gonçalves Vieira
    Orientação Prof. Dr. Paulo Romano Reschillian
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo O presente trabalho procurou analisar a tendência de segregação sócioespacial relacionada à produção de habitação de interesse social, no município de Jacareí, Estado de São Paulo, decorrentes do Programa "Minha Casa Minha Vida" (PMCMV) criado no âmbito federal brasileiro em 2009. Para este estudo, foram utilizados dados referentes à pesquisa bibliográfica específica, pesquisa documental, fotografia convencional, observações de campo, dados estatísticos de órgãos oficiais, os quais foram transformados eletronicamente em mapas e tabelas. Investigando a tendência de concentração de empreendimentos relacionados ao Programa, destacou-se a tendência predominante de arranjos espaciais sob a forma de condomínios fechados, tanto verticais, como horizontais. Nos levantamentos de campo e cartográficos constatou-se outra tendência, na qual se verifica a concentração espacial desses empreendimentos em determinado vetor de expansão urbana, caracterizando, inicialmente, formação periférica. Buscou-se relacionar as novas construções no contexto do PMCMV e as diretrizes de uso e ocupação do solo do município para analisar a utilização dos novos instrumentos propostos pelo Estatuto da Cidade e sua prática ou não na urbanização em curso. A metodologia mostrou-se útil para os problemas propostos, a qual possibilitou um diagnóstico deste problema de segregação urbana
    Título Desenvolvimento regional e o meio técnico-científico-informacional: uma análise dos contrastes socioeconômicos e espaciais da região metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte


    http://biblioteca.univap.br//dados//000013/00001389.pdf
    Autor(a) Daniel José de Andrade
    Orientação Profa. Dra. Adriane Aparecida Moreira de Souza
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo No Brasil o atual período tecnológico tem origem na década de 1950 e caracteriza-se segundo Santos (2012), pela forte interação da técnica, ciência e informação, elementos responsáveis pelo surgimento de uma nova estrutura social e econômica, com implicações diretas no espaço geográfico, agora denominado meio técnico-científico-informacional. No Brasil, a distribuição de infraestrutura técnica para a modernização do País revela a heterogeneidade no território derivada das estratégias adotadas pelo Estado e pelo capital industrial e financeiro. Neste contexto de desigualdades socioespaciais se insere a recém-criada Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte (RMVPLN), composta por municípios cujas características são mais ou menos representativas do atual período tecnológico. Neste sentido, este trabalho dedica-se a analisar a RMVPLN, sob a perspectiva do atual período tecnológico, e por meio das investigações, compreender os contrastes existentes na Região com municípios que apresentam variações nos níveis de densidade demográfica, técnica, econômica, informacional e comunicacional, bem como, heterogeneidades socioeconômicas e espaciais.
    Título Configuração socioespacial como expressão de conflitos: expansão urbana de Luanda e o planejamento territorial de Angola


    http://biblioteca.univap.br//dados//000014/00001429.pdf
    Autor(a) José Caléia Castro
    Orientação Prof. Dr. Pedro Ribeiro Moreira Neto
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo Angola constituía, mesmo antes da colonização lusitana, um território com razoável grau de organização e relações sociais e política. Com a chegada dos colonizadores, a partir do século XVI, Luanda passa a ganhar importância e torna-se a principal cidade do País. As políticas de gestão portuguesa e as guerras de libertação colonial (1961 ? 1975) são fatos e eventos que influênciaram a atual conformação socioespacial. Embora os acontecimentos decisivos tenham se dado a partir de 1975 com o generalizado êxodo rural, ocasionado principalmente pelas situações de conflitos civís bélicos, engendrados pelos três principais movimentos políticos (MPLA, UNITA e FNLA), as mobilizações migratórias para as periferias de Luanda, e mais tarde para o interior da cidade legalmente constituida, se intensificou principalmente, no periodo de (1975 - 2002). Este estudo concentrou considerável foco na década de (2003-2013), pois é neste que, apesar do retorno da estabilidade militar e politica, sinalizado como período de paz, ocorre o maior e mais rápido crescimento demográfico e a maior expansão da mancha urbana de Luanda. As consequências deste processo se refletem de maneira aguda no território de Luanda, através da disputa pelo espaço, marcadas também pela formação dos musseques (favelas) e pela hegemonia e polarização regional. Apesar de deficiente e precário, o sistema de circulação e transportes atua como elemento estruturante e suporte fundamental para o funcionamento desta cidade. É essencialmente sustentado por uma insuficiente e debilitada estrutura viária e por uma modalidade de transporte artesanal, inserido num sistema de economia informal. Por outro lado, percebe-se uma competição acirrada tanto no espaço de circulação, quanto no urbano, entre a cidade legal e a cidade informal (musseques). O objetivo deste estudo é abordar e compreender os fatores que estiveram na base para a atual conformação social, urbana, bem como a apropriação do espaço territorial de Luanda, analisando-a, como objeto de planejamento urbano e territorial de Angola, apoiado nos parcos documentos existentes, dados iconográficos e em pesquisas de campo detalhadas adiante
    Título Aparecida, profana e dividida: conflitos socioespaciais no município de Aparecida, São Paulo, Brasil


    http://biblioteca.univap.br//dados//000014/0000147a.pdf
    Autor(a) Vanessa Carvalho Mangialardo
    Orientação Prof. Dr. Pedro Moreira Neto
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo O arranjo espacial urbano, na maioria das cidades, são expressões de sua reprodução social na mais material de suas dimensões o que se deve ao processo histórico em que se deu tal formação. Aparecida, cidade do Vale do Paraíba Paulista, nasceu de circunstâncias fortuitas, o achado de uma imagem de Nossa Senhora da Conceição nas águas do rio que dá nome à região. A partir deste ponto se inicia seu crescimento, de povoado à cidade que hoje é. Como em sua origem, sua história esteve sempre ligada às expressões da fé católica e da devoção à Senhora Aparecida. No entanto, o crescente afluxo de fiéis demandou novas necessidades para a cidade, o acolhimento aos peregrinos e romeiros, uma demanda por comércio e serviços. A estrutura do centro urbano se abre então ao mercado e essas ofertas sob a condução da própria Igreja. A cidade da fé se torna profana. O estudo a seguir aborda este processo onde o amálgama inicial entre fé e as necessidades de sobrevivência se deslocam para satisfações de necessidades contemporâneas, a cultura de massa. Apoiado em pesquisas bibliográficas e análises de documentos do poder público e da Igreja, o texto a seguir pretende colaborar para o estudo das contradições da cultura e dos espaços gerados nestes novos tempos
    Título Análise de percepção ambiental de moradores de área de várzea em pequenas cidades da Amazônia: um estudo de caso


    http://biblioteca.univap.br//dados//000014/000014bc.pdf
    Autor(a) Ivan Gomes de Oliveira
    Orientação Profa. Dra. Sandra Maria Fonseca da Costa
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo O estudo de percepção ambiental teve publicações memoráveis nas décadas de 1950 e 1960, em língua anglo-saxônica e em francês, entretanto, a multiplicação de publicações, como afirmam as professoras Lívia de Oliveira e Lucy Marion, ocorreu a partir da década de 1970. Os maiores divulgadores foram, inicialmente, os geógrafos da Geografia Humanística e, posteriormente, os arquitetos, urbanistas, biólogos, educadores, psicólogos, sanitaristas, engenheiros, entre outros. No Brasil destacam-se as publicações realizadas por grandes autores, como Del Rio, Lívia de Oliveira, Lucrécia Ferrara, Lucy Marion, Sandra Faggionato. Grande parte das publicações realizadas sobre o tema percepção ambiental no Brasil está relacionada às cidades médias e grandes e às áreas de conservação ambiental. Quando pensamos na Amazônia urbana e em cidades de pequeno porte, as publicações se tornam escassas. Alguns dos estudos de percepção ambiental nas médias e grandes cidades do Brasil se basearam nos estudos realizados em cidades como Boston, Baltimore e Londres, onde o poder público se utilizou dos resultados de análise de percepção para elaborar estratégias para consolidar imagens positivas na intervenção espacial. A ocupação dos espaços urbanos na Amazônia teve uma aceleração, principalmente, a partir da década de 1960, com a implantação de grandes projetos desenvolvimentistas urbano-industriais, o que fez com que houvesse um aumento da população urbana. Nesse processo de ocupação urbana, áreas ambientalmente frágeis foram ocupadas, entre elas, a várzea, ambiente usualmente encontrado nas cidades amazônicas ribeirinhas. Informações importantes foram levantadas, como: mais de 71% dos entrevistados são da própria região e apresentam uma identidade muito forte com o local onde vivem (Topofilia); observou-se, também, que mais de 85,59% dos entrevistados nunca participaram de nenhum evento voltado para a preservação do meio ambiente; tem-se, ainda, que quase 50% não têm emprego fixo e que mais de 78% dos entrevistados descartam seus esgotos sanitários diretamente nos rios.
    Título Circulação, acessibilidade social e questões do planejamento territorial: análise da dinâmica socioespacial urbano-rural do Bairro do Parateí do meio em Jacareí, SP


    http://biblioteca.univap.br//dados//000013/00001385.pdf
    Autor(a) André Luiz de Toledo
    Orientação Profa. Dra. Adriane A. Moreira de Souza
    Profa. Dra. Cilene Gomes
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo O estudo do papel do sistema viário e da circulação na organização do território tornou-se interessante após a constatação das dificuldades de circulação em área rural do município de Jacareí/SP e do consequente isolamento da respectiva população, frequentemente obrigada a encontrar caminhos alternativos para a busca de satisfação de suas mais básicas necessidades materiais e sociais. A opção metodológica da pesquisa orientou para a realização de um estudo de caso que consiste em uma triangulação de métodos e técnicas que inter-relaciona as fases exploratórias, trabalho de campo e análise documental. Localizado em área rural da região noroeste (NO) do município, em área próxima ao eixo de desenvolvimento urbano-regional constituído pela Rodovia Presidente Dutra, o Parateí do Meio apresenta tal realidade. As primeiras visitas ao local revelaram as dificuldades de locomoção vividas pela comunidade local no seu dia a dia. Tal situação motivou a elaboração desse projeto com o intuito de compreender as razões históricas e sociais dos processos que conduziram ao estabelecimento de condições desfavoráveis à circulação e à acessibilidade dos moradores do bairro e demais transeuntes. Situações similares a esta podem ser encontradas no município de Jacareí, na região que o integra e mesmo em outras localidades rurais do país afora. Neste sentido, esta pesquisa tem o objetivo de realizar um estudo de caso contextualizando a organização socioespacial da região do Parateí do Meio sob o ponto de vista histórico e geográfico; caracterizando a dinâmica de circulação local associada às condições de acessibilidade física e social de seus moradores e, à luz de uma reflexão sobre o ideal da justiça social, busca colaborar para discussões sobre o planejamento territorial a partir do reconhecimento de questões fundamentais ligadas ao Plano Diretor, às relações urbano-rurais e à cidadania. A acessibilidade dos moradores aos benefícios da vida social é o objeto principal do entendimento do lugar periurbano aqui expresso. Partindo da contextualização e circunstância da localização da área de estudo no município de Jacareí e região do Vale do Paraíba este estudo desdobra-se no intuito de verificar a constituição do lugar, mediante a organização das paisagens e dos espaços diferenciados; o problema dos cerceamentos à circulação local; e as condições efetivas da acessibilidade social englobando dinâmicas relacionais entre diferentes locais. A composição da imagem da periurbanidade do lugar leva às considerações finais a respeito do conceito de acessibilidade social e de questões do planejamento territorial ligadas, sobretudo, à necessidade de um pensamento insurgente das transformações sociais e territoriais fundado nos direitos de cidadania.
    Título Circulação, acessibilidade social e questões do planejamento territorial: análise da dinâmica socioespacial urbano-rural do Bairro do Parateí do meio em Jacareí, SP


    http://biblioteca.univap.br//dados//000013/00001385.pdf
    Autor(a) André Luiz de Toledo
    Orientação Profa. Dra. Adriane A. Moreira de Souza

    Profa. Dra. Cilene Gomes
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo O estudo do papel do sistema viário e da circulação na organização do território tornou-se interessante após a constatação das dificuldades de circulação em área rural do município de Jacareí/SP e do consequente isolamento da respectiva população, frequentemente obrigada a encontrar caminhos alternativos para a busca de satisfação de suas mais básicas necessidades materiais e sociais. A opção metodológica da pesquisa orientou para a realização de um estudo de caso que consiste em uma triangulação de métodos e técnicas que inter-relaciona as fases exploratórias, trabalho de campo e análise documental. Localizado em área rural da região noroeste (NO) do município, em área próxima ao eixo de desenvolvimento urbano-regional constituído pela Rodovia Presidente Dutra, o Parateí do Meio apresenta tal realidade. As primeiras visitas ao local revelaram as dificuldades de locomoção vividas pela comunidade local no seu dia a dia. Tal situação motivou a elaboração desse projeto com o intuito de compreender as razões históricas e sociais dos processos que conduziram ao estabelecimento de condições desfavoráveis à circulação e à acessibilidade dos moradores do bairro e demais transeuntes. Situações similares a esta podem ser encontradas no município de Jacareí, na região que o integra e mesmo em outras localidades rurais do país afora. Neste sentido, esta pesquisa tem o objetivo de realizar um estudo de caso contextualizando a organização socioespacial da região do Parateí do Meio sob o ponto de vista histórico e geográfico; caracterizando a dinâmica de circulação local associada às condições de acessibilidade física e social de seus moradores e, à luz de uma reflexão sobre o ideal da justiça social, busca colaborar para discussões sobre o planejamento territorial a partir do reconhecimento de questões fundamentais ligadas ao Plano Diretor, às relações urbano-rurais e à cidadania. A acessibilidade dos moradores aos benefícios da vida social é o objeto principal do entendimento do lugar periurbano aqui expresso. Partindo da contextualização e circunstância da localização da área de estudo no município de Jacareí e região do Vale do Paraíba este estudo desdobra-se no intuito de verificar a constituição do lugar, mediante a organização das paisagens e dos espaços diferenciados; o problema dos cerceamentos à circulação local; e as condições efetivas da acessibilidade social englobando dinâmicas relacionais entre diferentes locais. A composição da imagem da periurbanidade do lugar leva às considerações finais a respeito do conceito de acessibilidade social e de questões do planejamento territorial ligadas, sobretudo, à necessidade de um pensamento insurgente das transformações sociais e territoriais fundado nos direitos de cidadania.
    Título Análise de percepção ambiental de moradores de área de várzea em pequenas cidades da Amazônia: um estudo de caso


    http://biblioteca.univap.br//dados//000014/000014bc.pdf
    Autor(a) Ivan Gomes de Oliveira
    Orientação Profa. Dra. Sandra Maria Fonseca da Costa
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo O estudo de percepção ambiental teve publicações memoráveis nas décadas de 1950 e 1960, em língua anglo-saxônica e em francês, entretanto, a multiplicação de publicações, como afirmam as professoras Lívia de Oliveira e Lucy Marion, ocorreu a partir da década de 1970. Os maiores divulgadores foram, inicialmente, os geógrafos da Geografia Humanística e, posteriormente, os arquitetos, urbanistas, biólogos, educadores, psicólogos, sanitaristas, engenheiros, entre outros. No Brasil destacam-se as publicações realizadas por grandes autores, como Del Rio, Lívia de Oliveira, Lucrécia Ferrara, Lucy Marion, Sandra Faggionato. Grande parte das publicações realizadas sobre o tema percepção ambiental no Brasil está relacionada às cidades médias e grandes e às áreas de conservação ambiental. Quando pensamos na Amazônia urbana e em cidades de pequeno porte, as publicações se tornam escassas. Alguns dos estudos de percepção ambiental nas médias e grandes cidades do Brasil se basearam nos estudos realizados em cidades como Boston, Baltimore e Londres, onde o poder público se utilizou dos resultados de análise de percepção para elaborar estratégias para consolidar imagens positivas na intervenção espacial. A ocupação dos espaços urbanos na Amazônia teve uma aceleração, principalmente, a partir da década de 1960, com a implantação de grandes projetos desenvolvimentistas urbano-industriais, o que fez com que houvesse um aumento da população urbana. Nesse processo de ocupação urbana, áreas ambientalmente frágeis foram ocupadas, entre elas, a várzea, ambiente usualmente encontrado nas cidades amazônicas ribeirinhas. Informações importantes foram levantadas, como: mais de 71% dos entrevistados são da própria região e apresentam uma identidade muito forte com o local onde vivem (Topofilia); observou-se, também, que mais de 85,59% dos entrevistados nunca participaram de nenhum evento voltado para a preservação do meio ambiente; tem-se, ainda, que quase 50% não têm emprego fixo e que mais de 78% dos entrevistados descartam seus esgotos sanitários diretamente nos rios.
    Título Aparecida, profana e dividida: conflitos socioespaciais no município de Aparecida, São Paulo, Brasil


    http://biblioteca.univap.br//dados//000014/0000147a.pdf
    Autor(a) Vanessa Carvalho Mangialardo
    Orientação Prof. Dr. Pedro Moreira Neto
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo O arranjo espacial urbano, na maioria das cidades, são expressões de sua reprodução social na mais material de suas dimensões o que se deve ao processo histórico em que se deu tal formação. Aparecida, cidade do Vale do Paraíba Paulista, nasceu de circunstâncias fortuitas, o achado de uma imagem de Nossa Senhora da Conceição nas águas do rio que dá nome à região. A partir deste ponto se inicia seu crescimento, de povoado à cidade que hoje é. Como em sua origem, sua história esteve sempre ligada às expressões da fé católica e da devoção à Senhora Aparecida. No entanto, o crescente afluxo de fiéis demandou novas necessidades para a cidade, o acolhimento aos peregrinos e romeiros, uma demanda por comércio e serviços. A estrutura do centro urbano se abre então ao mercado e essas ofertas sob a condução da própria Igreja. A cidade da fé se torna profana. O estudo a seguir aborda este processo onde o amálgama inicial entre fé e as necessidades de sobrevivência se deslocam para satisfações de necessidades contemporâneas, a cultura de massa. Apoiado em pesquisas bibliográficas e análises de documentos do poder público e da Igreja, o texto a seguir pretende colaborar para o estudo das contradições da cultura e dos espaços gerados nestes novos tempos
    Título Configuração socioespacial como expressão de conflitos: expansão urbana de Luanda e o planejamento territorial de Angola


    http://biblioteca.univap.br//dados//000014/00001429.pdf
    Autor(a) José Caléia Castro
    Orientação Prof. Dr. Pedro Ribeiro Moreira Neto
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo Angola constituía, mesmo antes da colonização lusitana, um território com razoável grau de organização e relações sociais e política. Com a chegada dos colonizadores, a partir do século XVI, Luanda passa a ganhar importância e torna-se a principal cidade do País. As políticas de gestão portuguesa e as guerras de libertação colonial (1961 ? 1975) são fatos e eventos que influênciaram a atual conformação socioespacial. Embora os acontecimentos decisivos tenham se dado a partir de 1975 com o generalizado êxodo rural, ocasionado principalmente pelas situações de conflitos civís bélicos, engendrados pelos três principais movimentos políticos (MPLA, UNITA e FNLA), as mobilizações migratórias para as periferias de Luanda, e mais tarde para o interior da cidade legalmente constituida, se intensificou principalmente, no periodo de (1975 - 2002). Este estudo concentrou considerável foco na década de (2003-2013), pois é neste que, apesar do retorno da estabilidade militar e politica, sinalizado como período de paz, ocorre o maior e mais rápido crescimento demográfico e a maior expansão da mancha urbana de Luanda. As consequências deste processo se refletem de maneira aguda no território de Luanda, através da disputa pelo espaço, marcadas também pela formação dos musseques (favelas) e pela hegemonia e polarização regional. Apesar de deficiente e precário, o sistema de circulação e transportes atua como elemento estruturante e suporte fundamental para o funcionamento desta cidade. É essencialmente sustentado por uma insuficiente e debilitada estrutura viária e por uma modalidade de transporte artesanal, inserido num sistema de economia informal. Por outro lado, percebe-se uma competição acirrada tanto no espaço de circulação, quanto no urbano, entre a cidade legal e a cidade informal (musseques). O objetivo deste estudo é abordar e compreender os fatores que estiveram na base para a atual conformação social, urbana, bem como a apropriação do espaço territorial de Luanda, analisando-a, como objeto de planejamento urbano e territorial de Angola, apoiado nos parcos documentos existentes, dados iconográficos e em pesquisas de campo detalhadas adiante
    Título Desenvolvimento regional e o meio técnico-científico-informacional: uma análise dos contrastes socioeconômicos e espaciais da região metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte


    http://biblioteca.univap.br//dados//000013/00001389.pdf
    Autor(a) Daniel José de Andrade
    Orientação Profa. Dra. Adriane Aparecida Moreira de Souza
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo No Brasil o atual período tecnológico tem origem na década de 1950 e caracteriza-se segundo Santos (2012), pela forte interação da técnica, ciência e informação, elementos responsáveis pelo surgimento de uma nova estrutura social e econômica, com implicações diretas no espaço geográfico, agora denominado meio técnico-científico-informacional. No Brasil, a distribuição de infraestrutura técnica para a modernização do País revela a heterogeneidade no território derivada das estratégias adotadas pelo Estado e pelo capital industrial e financeiro. Neste contexto de desigualdades socioespaciais se insere a recém-criada Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte (RMVPLN), composta por municípios cujas características são mais ou menos representativas do atual período tecnológico. Neste sentido, este trabalho dedica-se a analisar a RMVPLN, sob a perspectiva do atual período tecnológico, e por meio das investigações, compreender os contrastes existentes na Região com municípios que apresentam variações nos níveis de densidade demográfica, técnica, econômica, informacional e comunicacional, bem como, heterogeneidades socioeconômicas e espaciais.
    Título Novas Formas de urbanização, estudos de condomínios fechados relacionados ao Programa "Minha Casa Minha Vida", Jacareí, São Paulo


    http://biblioteca.univap.br//dados//000014/0000142a.pdf
    Autor(a) Ionice Gonçalves Vieira
    Orientação Prof. Dr. Paulo Romano Reschilian
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo O presente trabalho procurou analisar a tendência de segregação sócioespacial relacionada à produção de habitação de interesse social, no município de Jacareí, Estado de São Paulo, decorrentes do Programa "Minha Casa Minha Vida" (PMCMV) criado no âmbito federal brasileiro em 2009. Para este estudo, foram utilizados dados referentes à pesquisa bibliográfica específica, pesquisa documental, fotografia convencional, observações de campo, dados estatísticos de órgãos oficiais, os quais foram transformados eletronicamente em mapas e tabelas. Investigando a tendência de concentração de empreendimentos relacionados ao Programa, destacou-se a tendência predominante de arranjos espaciais sob a forma de condomínios fechados, tanto verticais, como horizontais. Nos levantamentos de campo e cartográficos constatou-se outra tendência, na qual se verifica a concentração espacial desses empreendimentos em determinado vetor de expansão urbana, caracterizando, inicialmente, formação periférica. Buscou-se relacionar as novas construções no contexto do PMCMV e as diretrizes de uso e ocupação do solo do município para analisar a utilização dos novos instrumentos propostos pelo Estatuto da Cidade e sua prática ou não na urbanização em curso. A metodologia mostrou-se útil para os problemas propostos, a qual possibilitou um diagnóstico deste problema de segregação urbana
    Título Políticas públicas e a estruturação de um programa para o combate à violência doméstica : caminhos do Programa Aquarela, São José dos Campos, SP


    http://biblioteca.univap.br//dados//00001b/00001b11.pdf
    Autor(a) Ilka Ramos
    Orientação Profa. Dra. Paula Vilhena Carnevale Vianna

    Prof. Dr. Antonio Carlos Machado Guimarães
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo O presente trabalho teve como objetivo levantar e discutir questões relativas a um programa de política pública para o combate à violência instituído em 2000 em um município paulista de médio porte, mais especificamente compreender a criação e as motivações para a implantação de uma rede municipal de apoio intersetorial para o enfrentamento às situações de violência doméstica contra crianças e adolescentes; quais as articulações construídas para sua implementação e quais os desdobramentos decorrentes desta primeira proposta, bem como a relação com as políticas de âmbito nacional e estadual. A preocupação com a questão da violência doméstica contra a criança e o adolescente vem crescendo significativamente na contemporaneidade, embora seja sabido que esse fenômeno esteve sempre presente nos núcleos familiares. O Programa Aquarela, investigado neste estudo, resulta de política pública intersetorial com atuação das áreas da saúde, serviço social, desenvolvida por diferentes órgãos do Estado, incluindo também a área da educação para o atendimento das vítimas. Instituído na cidade de São José dos Campos, compreende um modelo assistencial gratuito configurado como rede de apoio intersetorial. Em 2013, em decorrência da reorganização da Rede de Assistência Social, com a implantação do Serviço Único de Assistência Social (SUAS) ocorre a implementação dos serviços voltados às famílias vítimas de violência pelo CREAS ? Centro de Referência Especializado da Assistência Social e o Programa tornou-se serviço, um Centro de Referência Especializado em Assistência Social vinculado à Secretaria de Desenvolvimento Social. Com base nos conceitos do neoinstitucionalismo histórico, a análise abordou a contextualização nos campos legislativo (leis e regulamentações relacionadas ao tema), da política e gestão dos serviços, bem como as narrativas de sete profissionais, agentes envolvidos na implantação e implementação do programa e serviço. Como resultado da presente pesquisa conclui-se que para análise de uma política voltada ao enfrentamento da violência doméstica contra criança e adolescente é importante compreender as regras e histórias de vida das pessoas envolvidas, tendo como contexto o previsto em lei relacionado à temática, numa constante busca de adequação das demandas locais frente ao sistema implementado pela legislação nacional, estadual e municipal, observando que as regulamentações influenciam, mas não definem os caminhos da política a ser implantada.
    Título A singularidade do urbano de Barcarena, como cidade ribeirinha da região Amazônica


    http://biblioteca.univap.br//dados//00001c/00001cb5.pdf
    Autor(a) Monique Bruna Silva do Carmo
    Orientação Profa. Dra. Sandra Maria Fonseca da Costa
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo O processo de aceleração da urbanização nas pequenas cidades da Amazônia nas ultimas décadas tem transformado o cenário regional e local dessas cidades, o que possibilitou transformações no que diz respeito às relações sócio-espacial e ambiental. Estas alterações no espaço, tanto urbano quanto rural, vem ocorrendo, mais intensamente, desde a década de 1960, na Região. Segundo Costa, Brondizio e Montoia (2009), essa urbano da Amazônia tem a predominância de pequenos aglomerados urbanos, os quais possuem uma fraca infraestrutura e uma economia fortemente dependente de recursos públicos. Apesar dessa predominância, esse urbano é bastante heterogêneo, existindo cidades fortemente dependentes e conectadas aos recursos da floresta, até cidades vinculadas à economia de mercado e à indústria. Em relação à Barcarena, uma pequena cidade da Amazônia localizada no estado do Pará e parte da área metropolitana de Belém, percebe-se que a cidade encontra-se em constante dinâmica em relação à população tanto urbana quanto rural. Apesar de possuir uma população rural maior do que a urbana, sua economia é movida por uma indústria de transformação, o que desperta curiosidade no sentido de conhecer esse paradoxo. Neste sentido, o presente projeto, o qual faz parte de um estudo maior sobre as pequenas cidades da Amazônia, objetiva estudar a importância da cidade de Barcarena (PA), localizada no estuário do rio Amazonas, na rede urbana da Região Amazônica. Pretende-se analisar os seus aspectos que estão transformando o espaço urbano dessa cidade e os agentes estruturadores do espaço responsáveis por essas mudanças. Assim como compreender a sua importância na rede urbana, em termos socioeconômicos. Esta cidade foi escolhida para ser estudada por aparentar uma grande dinâmica urbana e rural, das quais ambas tem-se mostrado significante para a economia regional, aspectos fundamentais para compreendermos os contrapontos existentes entre o espaço urbano e rural.
    Título Sociedade e natureza: análise da paisagem e da ocupação urbana em ambiente de várzea de uma pequena cidade do Estuário Amazônico: Ponta de Pedras – PA


    http://biblioteca.univap.br//dados//000013/0000138c.pdf
    Autor(a) Ed Carlos dos Santos Valota
    Orientação Profa. Dra. Sandra Maria Fonseca da Costa
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo O processo de expansão urbana nas pequenas, médias e grandes cidades amazônicas tem sido crescente. Muitos moradores ribeirinhos rurais se mudam para os centros urbanos em busca de melhorias para a qualidade de vida da família, como por exemplo, melhores condições de estudo, empregos, acesso à infraestrutura básica, saúde, entre outros. Uma parcela dessa população vai habitar as áreas periféricas das cidades, conhecidas como áreas periurbanas, pois ainda, nesses locais, as relações entre rural e urbano se misturam. Entretanto, na Amazônia, as áreas de várzea fazem parte das periferias das cidades, onde, esses locais sofrem fortes estresses em função da variação das marés e alteração do nível dos rios. A população de baixíssima renda, que na maioria das vezes depende dos benefícios e empregos do governo, é quem vai ocupar esses ambientes. Apesar da vida dura, motivada pela dinâmica das marés nessa região, a população que ocupa as várzeas já está habituada ao ritmo do local. Ainda que as cidades amazônicas possuam áreas de terra firme que possibilitem o assentamento humano, alguns moradores ribeirinhos optam por construir suas casas de palafitas nos ambientes de várzea. O crescimento urbano das cidades em direção às áreas de várzea tem transformado as paisagens da Amazônia. Desta forma, essa dissertação tem como objetivo investigar o por que dos moradores ribeirinhos do Bairro Carnapijó, localizado na pequena cidade de Ponta de Pedras, na Ilha do Marajó, optarem por construir suas casas sobre as águas ao invés de escolherem morar em terra firme. A população que ocupa o Bairro Carnapijó, em sua maioria, é composta por famílias numerosas que possuem baixos rendimentos e dependem dos benefícios do Governo, como o Bolsa Família. Mais da metade desses moradores nasceuno próprio município. O Poder Público informa que em um primeiro momento a área foi ocupada por decisões e interesses políticos. Porém, na atualidade as pessoas optam por morar nesses locais alagadiços em função de suas condições econômicas. Desta forma, a ocupação urbana está transformando a paisagem natural da várzea na cidade de Ponta de Pedras, correndo o risco de perda de serviços ambientais, tendo como responsáveis a Administração Pública e a população. Nesse sentido, compreender esse processo de crescimento urbano pode auxiliar a subsidiar ações que colaborem com o planejamento urbano das cidades amazônicas.

    DISSERTAÇÕES 2014
    Título Ubatuba era Caiçara : a des(re)territorialização do espaço frente às políticas públicas


    http://biblioteca.univap.br//dados//000017/00001795.pdf
    Autor(a) Edvaldo Gonçalves de Amorim
    Orientação Prof. Dr. Leonardo Freire de Mello
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo O espaço socialmente construído é formado na sua totalidade por elementos que promovem arranjos e desarranjos no espaço geográfico, criando territórios, desterritorializando outros para depois reterritorializá-los novamente. Nessa perspectiva, o presente trabalho busca compreender o processo de industrialização urbana no Brasil e seus rebatimentos sobre as territorialidades existentes, em especial as do setor de subsistência, tendo como ótica as políticas públicas voltadas para a organização do território. Para tanto, o recorte territorial objeto de aplicação deste estudo é o município de Ubatuba, no Estado de São Paulo, um dos redutos da cultura tradicional Caiçara, com mais de 80% de sua área sobreposta com unidades de conservação de proteção integral e outras áreas protegidas, localizada na região berço da industrialização urbana. As metodologias de análise adotadas são a revisão bibliográfica histórica e temporal, assim como a observação não participativa. Esta forma de análise possibilitou uma leitura na escala regional e local dos diversos territórios e, de como estes influenciam o processo construtivo das políticas públicas e ao mesmo tempo em que são influenciados por elas.
    Título As tramas no espaço urbano : análise da produção social do espaço urbano do município de Taubaté - SP, segundo parâmetros da obra de Flávio Villaça


    http://biblioteca.univap.br//dados//000005/00000541.pdf
    Autor(a) Robernei Aparecido Lima
    Orientação Prof. Dr. José Oswaldo Soares de Oliveira
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo Este trabalho assenta seus estudos sobre a estruturação do espaço intraurbano no munícipio de Taubaté, localizado na Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte, analisando a apropriação das vantagens e desvantagens no espaço produzido e a segregação espacial resultante, sob a ótica dos parâmetros de Flávio Villaça, já validados em seus estudos como um modelo de estruturação urbana presente em várias metrópoles brasileiras, mostrando que as classes de mais alta renda começaram a promover um processo de autossegregação que segue, até hoje, a mesma tendência: a de se concentrarem numa mesma região geral da cidade. Assim, procurou-se verificar por meio desse embasamento teórico e mapeamento da área de estudo por tipologias de localização, se esse modelo teria validade na produção do espaço urbano do município de Taubaté, considerando, dentre outros, as instituições, equipamentos e serviços públicos, como também os estabelecimentos privados de acesso coletivo. Constataram-se nesses estudos que as análises do autor sobre as formas de produção do espaço intraurbano presentes nas metrópoles brasileiras, também se materializam no município de médio porte como o representado por Taubaté, verificando-se a ocupação de uma região da cidade pelas classes de alta renda, promovendo a sua autossegregação, usufruindo de todos os equipamentos urbanos e infraestrutura que passam a ser direcionados para lá, assim como da acessibilidade produzida para beneficiar essa mesma classe, na zona oeste do município de Taubaté. Cabe destacar que este processo continua em desdobramentos, apresentando uma ampliação desta zona de ocupação por camadas de alta renda também em direção à zona sul, configurando um eixo sudoeste de segregação socioeconômica.
    Título Industrialização e desenvolvimento regional : uma análise dos espaços urbano-industriais na região metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte


    http://biblioteca.univap.br//dados//000005/00000542.pdf
    Autor(a) Gustavo Andreiev Nunes
    Orientação Profa. Dra. Adriane Aparecida Moreira de Souza
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo No século XX, o surgimento dos espaços urbano-industriais, em diversas localidades do mundo, apresentou um crescimento significativo, uma vez que, a complexidade interna desses espaços proporciona um dinamismo maior do processo de produção via interação entre as empresas nesses instaladas. No que se refere ao Brasil, a Região do Vale do Paraíba, estado de São Paulo, apresentou um significativo desenvolvimento econômico, com destaque para a atividade industrial, ocorrida de modo mais intenso nos municípios de Jacareí, São José dos Campos, Caçapava, Taubaté e Pindamonhangaba. No ano de 2012, foi instituída a Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte (RMVP), inserindo os referidos municípios em uma nova perspectiva na qual são ressaltados os aspectos de suas centralidades, motivando reflexões acerca do desenvolvimento regional. Este trabalho tem como objetivo identificar os espaços urbano-industriais na RMVP, bem como, caracterizar o setor industrial destas localidades, verificando a atuação do Estado e demais agentes na criação e consolidação desses espaços.
    Título Agricultura urbana em São José dos Campos : apropriação do espaço urbano, modos de vida e conflitos


    http://biblioteca.univap.br//dados//000017/00001793.pdf
    Autor(a) Samuel Henrique Damas Marinelo
    Orientação Profa. Dra. Sandra Maria Fonseca da Costa
    Prof. Dr. Leonardo Freire de Mello
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo Em relação às mudanças de conteúdo das regiões urbanas, o professor Milton Santos esclarece que essas áreas não podem ser tratadas como áreas homogêneas, onde a população residente deva ser enquadrada em um só modelo de plano urbano, esteja ele ligado a qualquer natureza utópica. Localizada na cidade de são José dos Campos, estado de São Paulo, a área de estudo dessa pesquisa revela uma situação particular: moradores do bairro Jd. Altos de Santana, na Zona Norte da cidade, conservam características tradicionais do campesinato, desenvolvendo o plantio de hortas urbanas num recorte da área de proteção permanente (APP) do Rio Paraíba do Sul. Para esta mesma área, intervenções urbanas estão previstas pelo Poder Público, pautadas num projeto de administração municipal que prevê a criação de um parque urbano denominado "Parque da Orla do Rio Paraíba do Sul", que para ser instalado, promoverá a remoção das hortas cuidadas pelos moradores agricultores. Uma vez instalado o Parque, as propostas de melhoria da qualidade de vida da população, ligada direta ou indiretamente à agricultura urbana, serão atingidas, o que pode gerar conflitos entre as partes interessadas no uso da área. Assim, a presente pesquisa pretende investigar quais são os possíveis conflitos que se estabelecem nessa relação entre Poder Público e moradores apontando para alternativas de solução, a fim de que a população local tenha assegurados os seus direitos de desenvolver a agricultura urbana, atividade topofílica percebida que ajuda a definir identidades socioculturais coexistentes, nesse recorte espacial urbano
    Título Agricultura urbana em São José dos Campos : apropriação do espaço urbano, modos de vida e conflitos


    http://biblioteca.univap.br//dados//000017/00001793.pdf
    Autor(a) Samuel Henrique Damas Marinelo
    Orientação Profa. Dra. Sandra Maria Fonseca da Costa

    Prof. Dr. Leonardo Freire de Mello
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo Em relação às mudanças de conteúdo das regiões urbanas, o professor Milton Santos esclarece que essas áreas não podem ser tratadas como áreas homogêneas, onde a população residente deva ser enquadrada em um só modelo de plano urbano, esteja ele ligado a qualquer natureza utópica. Localizada na cidade de são José dos Campos, estado de São Paulo, a área de estudo dessa pesquisa revela uma situação particular: moradores do bairro Jd. Altos de Santana, na Zona Norte da cidade, conservam características tradicionais do campesinato, desenvolvendo o plantio de hortas urbanas num recorte da área de proteção permanente (APP) do Rio Paraíba do Sul. Para esta mesma área, intervenções urbanas estão previstas pelo Poder Público, pautadas num projeto de administração municipal que prevê a criação de um parque urbano denominado "Parque da Orla do Rio Paraíba do Sul", que para ser instalado, promoverá a remoção das hortas cuidadas pelos moradores agricultores. Uma vez instalado o Parque, as propostas de melhoria da qualidade de vida da população, ligada direta ou indiretamente à agricultura urbana, serão atingidas, o que pode gerar conflitos entre as partes interessadas no uso da área. Assim, a presente pesquisa pretende investigar quais são os possíveis conflitos que se estabelecem nessa relação entre Poder Público e moradores apontando para alternativas de solução, a fim de que a população local tenha assegurados os seus direitos de desenvolver a agricultura urbana, atividade topofílica percebida que ajuda a definir identidades socioculturais coexistentes, nesse recorte espacial urbano
    Título Industrialização e desenvolvimento regional : uma análise dos espaços urbano-industriais na região metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte


    http://biblioteca.univap.br//dados//000005/00000542.pdf
    Autor(a) Gustavo Andreiev Nunes
    Orientação Profa. Dra. Adriane Aparecida Moreira de Souza
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo No século XX, o surgimento dos espaços urbano-industriais, em diversas localidades do mundo, apresentou um crescimento significativo, uma vez que, a complexidade interna desses espaços proporciona um dinamismo maior do processo de produção via interação entre as empresas nesses instaladas. No que se refere ao Brasil, a Região do Vale do Paraíba, estado de São Paulo, apresentou um significativo desenvolvimento econômico, com destaque para a atividade industrial, ocorrida de modo mais intenso nos municípios de Jacareí, São José dos Campos, Caçapava, Taubaté e Pindamonhangaba. No ano de 2012, foi instituída a Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte (RMVP), inserindo os referidos municípios em uma nova perspectiva na qual são ressaltados os aspectos de suas centralidades, motivando reflexões acerca do desenvolvimento regional. Este trabalho tem como objetivo identificar os espaços urbano-industriais na RMVP, bem como, caracterizar o setor industrial destas localidades, verificando a atuação do Estado e demais agentes na criação e consolidação desses espaços.
    Título As tramas no espaço urbano : análise da produção social do espaço urbano do município de Taubaté - SP, segundo parâmetros da obra de Flávio Villaça


    http://biblioteca.univap.br//dados//000005/00000541.pdf
    Autor(a) Robernei Aparecido Lima
    Orientação Prof. Dr. José Oswaldo Soares de Oliveira
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo Este trabalho assenta seus estudos sobre a estruturação do espaço intraurbano no munícipio de Taubaté, localizado na Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte, analisando a apropriação das vantagens e desvantagens no espaço produzido e a segregação espacial resultante, sob a ótica dos parâmetros de Flávio Villaça, já validados em seus estudos como um modelo de estruturação urbana presente em várias metrópoles brasileiras, mostrando que as classes de mais alta renda começaram a promover um processo de autossegregação que segue, até hoje, a mesma tendência: a de se concentrarem numa mesma região geral da cidade. Assim, procurou-se verificar por meio desse embasamento teórico e mapeamento da área de estudo por tipologias de localização, se esse modelo teria validade na produção do espaço urbano do município de Taubaté, considerando, dentre outros, as instituições, equipamentos e serviços públicos, como também os estabelecimentos privados de acesso coletivo. Constataram-se nesses estudos que as análises do autor sobre as formas de produção do espaço intraurbano presentes nas metrópoles brasileiras, também se materializam no município de médio porte como o representado por Taubaté, verificando-se a ocupação de uma região da cidade pelas classes de alta renda, promovendo a sua autossegregação, usufruindo de todos os equipamentos urbanos e infraestrutura que passam a ser direcionados para lá, assim como da acessibilidade produzida para beneficiar essa mesma classe, na zona oeste do município de Taubaté. Cabe destacar que este processo continua em desdobramentos, apresentando uma ampliação desta zona de ocupação por camadas de alta renda também em direção à zona sul, configurando um eixo sudoeste de segregação socioeconômica.
    Título Ubatuba era Caiçara : a des(re)territorialização do espaço frente às políticas públicas


    http://biblioteca.univap.br//dados//000017/00001795.pdf
    Autor(a) Edvaldo Gonçalves de Amorim
    Orientação Prof. Dr. Leonardo Freire de Mello
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo O espaço socialmente construído é formado na sua totalidade por elementos que promovem arranjos e desarranjos no espaço geográfico, criando territórios, desterritorializando outros para depois reterritorializá-los novamente. Nessa perspectiva, o presente trabalho busca compreender o processo de industrialização urbana no Brasil e seus rebatimentos sobre as territorialidades existentes, em especial as do setor de subsistência, tendo como ótica as políticas públicas voltadas para a organização do território. Para tanto, o recorte territorial objeto de aplicação deste estudo é o município de Ubatuba, no Estado de São Paulo, um dos redutos da cultura tradicional Caiçara, com mais de 80% de sua área sobreposta com unidades de conservação de proteção integral e outras áreas protegidas, localizada na região berço da industrialização urbana. As metodologias de análise adotadas são a revisão bibliográfica histórica e temporal, assim como a observação não participativa. Esta forma de análise possibilitou uma leitura na escala regional e local dos diversos territórios e, de como estes influenciam o processo construtivo das políticas públicas e ao mesmo tempo em que são influenciados por elas.

    DISSERTAÇÕES 2013
    Título Resíduos da construção civil no município de São José dos Campos (SP) e as políticas públicas ambientais


    http://biblioteca.univap.br//dados//000005/00000553.pdf
    Autor(a) Waldmir Assis Freitas Ferreira
    Orientação Profa. Dra. Friedhilde Maria Kustner Manolescu
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo Este estudo tem como objetivo verificar a aplicação da Política Pública Municipal de São José dos Campos, SP, ao gerenciamento de resíduos sólidos de construções civis e demolições de reforma, em atendimento à Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS, 2010). Para tanto, apresenta-se uma breve análise do que hoje se denomina crise socioambiental urbana brasileira e suas especificidades. Entende-se que a construção física e material do espaço urbano e suas transformações alicerçam-se de forma direta com as atividades da indústria da construção civil. Com o redirecionamento das discussões ambientais, iniciadas na década de 1970, para o desenvolvimento e organização dos espaços urbanos, surgiu a expressão cidade sustentável. Com esse direcionamento, este estudo tem como objeto de análise o processo de produção de resíduos da construção civil desde a primeira etapa de qualquer tipo de construção: o canteiro de obras. O estudo traz a classificação dada ao pequeno e ao grande gerador desse tipo de resíduo, o transporte e destino dos resíduos, e analisa as distintas classificações estabelecidas pela Resolução Conama nº 307/2002. Verifica, também, em fontes oficiais como a Prefeitura de São José dos Campos e a Secretaria Municipal do Meio Ambiente, o manejo dos resíduos provenientes das atividades de construção. Após o conhecimento das especificidades do Município, em relação à reciclagem dos resíduos, analisa outras cidades da região metropolitana, São José dos Campos, Taubaté, Jacareí e Pindamonhangaba, situadas no mesmo Estado de São Paulo, a fim de comparar as Políticas Públicas Municipais sob a luz da Política Nacional de Resíduos Sólidos. A comparação pretende verificar se o modelo adotado por São José dos Campos contribui de alguma maneira com a preservação ambiental, ou, ao menos, se minimiza possíveis impactos ambientais. Conclui-se que o Município avança frente a outros por possuir usina de beneficiamento de resíduos de construção, que possibilita que o material sob a forma de matéria-prima, após o processo de reciclagem, seja aplicado no mesmo setor. Cabe apontar que os esforços para atender a Política Nacional não estão sendo suficientes. Percebe-se a vulnerabilidade na extensão da cidade, com o despejo irregular de resíduos em vias públicas, em terrenos baldios, e em áreas de preservação permanente, e a inexistência de fiscalização para fazer cumprir a Lei, o que causa danos ao meio ambiente e à paisagem urbanística da cidade.
    Título A política habitacional e a expressão da segregação socioespacial em São José dos Campos - SP


    http://biblioteca.univap.br/dados/000004/00000431.pdf
    Autor(a) Andrea Lise Campos Suriano
    Orientação Prof. Dr. Paulo Romano Reschillian
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo Esta pesquisa tem o objetivo de compreender a segregação socioespacial em São Jose dos Campos, SP, como resultado do processo de urbanização/industrialização vivenciado pelas cidades brasileiras; e também resultante da política habitacional municipal. Pretende-se constatar que o modo pelo qual o avassalador processo de urbanização aliado à intensificação da industrialização contribuiu para aumentar o déficit habitacional no município e produzir a segregação socioespacial. Esta pesquisa pretende também, investigar a manutenção da segregação socioespacial a partir da produção de habitação de interesse social por meio da política habitacional adotada pelo poder público municipal nas últimas décadas. É importante destacar que São Jose dos Campos pode ser considerado um exemplo típico do padrão de "urbanismo à brasileira", cuja influência da questão da terra na organização do território (valorização e especulação imobiliária, entre outras) resulta em uma ocupação desigual do espaço urbano evidenciando a lógica da segregação socioespacial.
    Título Parcelamento do solo urbano: o loteamento. Seus atores, lógicas e pertinências em São José dos Campos
    Autor(a) Arlindo Aparecido Regis de Oliveira Junior
    Orientação Prof. Dr. Emmanuel Antonio dos Santos
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo A questão da terra tem um papel importante no processo da urbanização. Diante da intensa ocupação do solo ocorrida nas últimas décadas nas cidades brasileiras, o loteamento se apresenta como forma de ocupação do território e alternativa à questão habitacional. Porém, apresenta-se, igualmente, como problema ao planejamento das cidades. O objetivo desta pesquisa é estudar o parcelamento do solo, na forma de loteamento considerado legal pelos órgãos públicos, como principal estruturador do tecido urbano. Busca-se, também, conhecer a sua evolução, identificando os atores envolvidos no processo e compreendendo suas lógicas e pertinências. O objeto empírico do estudo é a zona urbana do município de São José dos Campos, localizado na Região Metropolitana do Vale do Paraíba, Estado de São Paulo, a partir de uma abordagem descritiva e crítica, para a melhor compreensão desse fenômeno urbano. No recorte temporal de 1925 a 2012, pode-se identificar 296 (duzentos e noventa e seis) loteamentos aprovados. Por compreenderem a dinâmica territorial ocorrida no período, serão correlacionados com os principais fatos que marcaram a evolução urbana da cidade. O pressuposto inicialmente apresentado de que os problemas urbanos surgem, não por falta de planejamento, mas sim pela forma como foi concebido o acesso à terra no Brasil e pela herança cultural patrimonialista persistente até os dias atuais, foi evidenciado e confirmado pela pesquisa.
    Título Levantamento da distribuição espacial e do perfil das escolinhas de futebol: estudo de caso do município de São José dos Campos – SP


    http://biblioteca.univap.br//dados//000004/000004a8.pdf
    Autor(a) Dorival Césare Junior
    Orientação Prof. Dr. Emmanuel Antônio dos Santos
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo Este estudo procurou mostrar que por meio da prática do futebol, um esporte muito popular no Brasil, existe um grande interesse público e privado na formação e implantação de escolinhas de futebol nos municípios brasileiros, as quais podem contribuir para a transformação dos aspectos sociais e econômicos das crianças e adolescentes. O mapeamento das escolinhas tem como objetivo analisar a sua distribuição e a influencia na sociabilidade das crianças e adolescentes da região. São José dos Campos realiza um trabalho que procura fazer a integração social em conjunto com esporte, com pode ser verificado pelos investimentos da prefeitura em relação à construção de centros poli esportivos e unidades associadas, áreas estas destinadas ao lazer e a iniciação esportiva. Em determinadas regiões a formação e organização das escolinhas de futebol, principalmente as particulares, esta ligada a condição sócio econômica da região, onde ocorrem carências de projetos sociais e de lazer e onde a população não tem condições de participar de atividades em academias e clubes. A prefeitura, através da Secretaria de Esportes e Lazer, disponibiliza local e realiza eventos voltados para o lazer, contribuindo para inclusão social da população da região. Por meio de um mapeamento, o qual procura detectar a localização das escolinhas de futebol, verificou-se um maior numero de escolinhas particulares na região sul e central, em contra partida, na região leste a predominância é de escolinhas públicas, onde investimentos públicos e a condição sócio econômica da região tornam-se um fator determinante para a localização de escolinhas gratuitas e com característica de inclusão social e de lazer. O estudo demonstrou que a escolinha, possibilita às crianças e adolescentes a oportunidade de praticar uma atividade esportiva prazerosa e que contribui desenvolvendo sua sociabilidade, fato este percebido pela maioria dos pais e proprietários. Com o crescimento urbano acelerado e em alguns momentos desordenado é preciso que a política pública de inclusão social realmente seja eficaz, buscando localizar distorções e preencher este espaço, pois a escolinha particular sempre vai estar presente onde o poder público estiver ausente.
    Título Contribuições aos estudos sobre os Fundos de Vale como elementos de construção ambiental e social do espaço urbano : conflitos e desafios


    http://biblioteca.univap.br//dados//000005/0000055f.pdf
    Autor(a) André Luiz Macahiba Benine
    Orientação Prof. Dr. Emmanuel Antonio dos Santos
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo O estudo se propõe a analisar a situação atual do município de Lorena e propor medidas possíveis para garantir a preservação das áreas de fundos de vale visando à sustentabilidade ambiental, social e urbana. É descritivo, aplica a técnica de observação para a análise qualitativa de documentos e da realidade do município e realiza um estudo de caso utilizando o raciocínio analítico dedutivo estruturalista, na análise da expansão urbana, dos processos de ocupação e da transformação do espaço do município de Lorena, considerando as áreas de Fundo de Vale e as políticas públicas de gestão territorial e planejamento urbano; elabora mapas que permitam visualizar os espaços a serem estudados, possibilitando uma análise espacial digital, estrutural, organizacional e operacional dos mesmos; reflete como a paisagem e meio ambiente do referido município poderiam ser passíveis de uma retransformação e, propõe medidas operacionais para a ordenação do espaço considerando a preservação do Ambiente, visando a reintegração e preservação dos rios na paisagem urbana. O estudo revela que: Lorena possui um planejamento ambiental e urbano deficiente; não utiliza a função dos elementos naturais, sobretudo as áreas de fundos de vale para a organização do espaço urbano; as legislações específicas não são aplicadas na sua totalidade, e o planejamento paisagístico urbano é inadequado. Conclui-se que a área do Fundo de Vale da Microbacia do Rio Taboão em Lorena, não foi considerada como elemento natural de construção social e ambiental do espaço urbano e que o município não ganhou em sustentabilidade ambiental, social e urbana, pois não ocorreu um planejamento voltado às questões de preservação. Revela que ao alcance da integração territorial, qualidade de vida e recuperação do meio ambiente natural através da criação de espaços flexíveis compondo uma paisagem equânime, é uma forma de conciliar a natureza como elemento principal para concepção e estruturação do espaço urbano de Lorena. Deve-se utilizar a proposição criada no estudo, para readequação do ambiente urbano em Lorena
    Título Contribuição para a formulação de indicadores urbanísticos : subsídios às análises de políticas educacionais no município de Jacareí/SP


    http://biblioteca.univap.br//dados//000005/0000050a.pdf
    Autor(a) Maria José Alacrino
    Orientação Prof. Dr. José Oswaldo Soares de Oliveira
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo O presente trabalho buscou responder qual o impacto que a organização sócio-urbana gera sobre o desempenho educacional dos estudantes. Este tema justifica-se pela importância que as cidades e as condições materiais da vida urbana podem ter ao interferir na qualidade dos indicadores educacionais. Assim, o objetivo da pesquisa é constituir indicadores sobre a organização material do território compreendendo infraestruturas, equipamentos, serviços e transportes, estabelecidos por tabelas, gráficos e quadros sistematizando e os relacionando aos indicadores educacionais oficiais Provas Brasil e SARESP. Desse modo, identificam-se os possíveis fatores que influenciam a qualidade do ensino em unidades escolares localizadas em territórios representativos das dinâmicas de urbanização do município de Jacareí, Estado de São Paulo, Brasil.
    Título Análise das transformações do uso e a cobertura do solo às margens da rodovia dos tamoios nos municípios de Jambeiro e Paraibuna, Vale do Paraíba/SP, no período entre 1991 e 2010


    http://biblioteca.univap.br//dados//000005/00000554.pdf
    Autor(a) Felipe Gonçalves de Arruda
    Orientação Prof. Dr. Leonardo Freire de Mello
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo As margens da Rodovia dos Tamoios estão passando por um processo de modificação no uso e cobertura do solo. Este processo se intensificou a partir de 1990, devido ao investimento público e privado, como os projetos de duplicação da Rodovia dos Tamoios, a ampliação do Porto de São Sebastião, ampliação dos dutos da Petrobrás. O objetivo dessa dissertação é identificar e analisar as transformações ocorridas no uso e cobertura do solo às margens da Rodovia dos Tamoios, nos municípios de Paraibuna e Jambeiro, no período de 1991 a 2010. No período estudado, a área de estudo passou por um processo de transformação, tendo sido alvo de investimentos público e privado. Essas transformações e investimentos estão causando impactos socioeconômicos, que se refletem no espaço, tais como o crescimento do número de empresas e condomínios fechados às margens da Rodovia.
    Título A abordagem do lugar e o planejamento urbano : um estudo de caso nos bairros do Rio Comprido de São José dos Campos e Jacareí – SP


    http://biblioteca.univap.br//dados//000004/00000472.pdf
    Autor(a) Luciana Marcondes Frade Braga de Castro
    Orientação Prof. Dr. Leonardo Freire de Mello
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo O presente trabalho propõe-se a estudar dois bairros de mesma toponímia - Rio Comprido - localizados entre os municípios de São José dos Campos e Jacareí, Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte - SP. O questionamento inicial direciona-se para as transformações na interação rio, pessoas e cidades oriundas principalmente da urbanização e industrialização brasileira, acreditando ser esta uma importante discussão acerca da qualidade de vida urbana na atualidade. A perspectiva teórica escolhida privilegiou o conceito de lugar visando identificar os diferentes significados dos bairros do Rio Comprido na percepção de seus moradores e a interação destes com o rio Comprido nos dias de hoje. Logo, a presente dissertação insere-se como um trabalho exploratório de abordagem reflexiva, seu objetivo maior não é quantitativo, mas qualitativo. A abordagem metodológica ancora-se nos estudos de percepção ambiental, pautados, sobretudo, nas atitudes e nos valores envolvidos na relação entre o homem e o meio ambiente. A proposta dessa abordagem intenciona contribuir com linhas de pesquisa que valorizem e busquem maior conexão entre os estudos técnicos voltados para o planejamento urbano e o conhecimento experiencial dos que vivem no lugar, entendendo este último como a base na qual se realiza a vida cotidiana na cidade.
    Título Análise do processo de expansão urbana no município de Monte Sião, MG, entre 1962 e 2012


    http://biblioteca.univap.br//dados//00001c/00001cb6.pdf
    Autor(a) Rafael Lúcio da Silva
    Orientação Profa. Dra. Sandra Maria Fonseca da Costa
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo A presente pesquisa propõe, a partir de uma abordagem teórica e um estudo empírico, compreender as relações inseridas no processo de expansão urbana, levando em consideração os diferentes agentes estruturadores do espaço urbano que conduzem este processo e segmentam as políticas públicas na esfera local e regional. Para tanto, selecionamos a cidade de Monte Sião, localizada no sul do Estado de Minas Gerais, Microrregião Geográfica de Pouso Alegre, município limítrofe com o Estado de São Paulo, considerada a "Capital Nacional do Tricô".A hipóteses, Ra abordada, é que, com o declínio da atividade rural no município de Monte Sião e a consolidação de uma nova atividade econômica com a especialização na produção de malhas e a diversificação do setor têxtil impulsionado pelo turismo, o foco de investimentos da população passou a ser o mercado de terras, promovendo uma expansão acelerada do perímetro urbano a partir década 1970, atraindo grande contingente populacional de outros estados do Brasil. O desenvolvimento desta nova economia no município propiciou uma rápida expansão do perímetro urbano e grande valorização da terra urbana, promovendo assim, uma nova estruturação do espaço urbano local. Espera-se com este estudo, quantificar a expansão urbana da cidade de Monte Sião - MG, bem como investigar os eixos de expansão urbana do município e a relação com os aspectos socioeconômicos e político-institucionais no período de 1962 e 2012.
    Título Análise do processo de expansão urbana no município de Monte Sião, MG, entre 1962 e 2012


    http://biblioteca.univap.br//dados//00001c/00001cb6.pdf
    Autor(a) Rafael Lúcio da Silva
    Orientação Profa. Dra. Sandra Maria Fonseca da Costa
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo A presente pesquisa propõe, a partir de uma abordagem teórica e um estudo empírico, compreender as relações inseridas no processo de expansão urbana, levando em consideração os diferentes agentes estruturadores do espaço urbano que conduzem este processo e segmentam as políticas públicas na esfera local e regional. Para tanto, selecionamos a cidade de Monte Sião, localizada no sul do Estado de Minas Gerais, Microrregião Geográfica de Pouso Alegre, município limítrofe com o Estado de São Paulo, considerada a "Capital Nacional do Tricô".A hipóteses, Ra abordada, é que, com o declínio da atividade rural no município de Monte Sião e a consolidação de uma nova atividade econômica com a especialização na produção de malhas e a diversificação do setor têxtil impulsionado pelo turismo, o foco de investimentos da população passou a ser o mercado de terras, promovendo uma expansão acelerada do perímetro urbano a partir década 1970, atraindo grande contingente populacional de outros estados do Brasil. O desenvolvimento desta nova economia no município propiciou uma rápida expansão do perímetro urbano e grande valorização da terra urbana, promovendo assim, uma nova estruturação do espaço urbano local. Espera-se com este estudo, quantificar a expansão urbana da cidade de Monte Sião - MG, bem como investigar os eixos de expansão urbana do município e a relação com os aspectos socioeconômicos e político-institucionais no período de 1962 e 2012.
    Título A abordagem do lugar e o planejamento urbano : um estudo de caso nos bairros do Rio Comprido de São José dos Campos e Jacareí – SP


    http://biblioteca.univap.br//dados//000004/00000472.pdf
    Autor(a) Luciana Marcondes Frade Braga de Castro
    Orientação Prof. Dr. Leonardo Freire de Mello
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo O presente trabalho propõe-se a estudar dois bairros de mesma toponímia - Rio Comprido - localizados entre os municípios de São José dos Campos e Jacareí, Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte - SP. O questionamento inicial direciona-se para as transformações na interação rio, pessoas e cidades oriundas principalmente da urbanização e industrialização brasileira, acreditando ser esta uma importante discussão acerca da qualidade de vida urbana na atualidade. A perspectiva teórica escolhida privilegiou o conceito de lugar visando identificar os diferentes significados dos bairros do Rio Comprido na percepção de seus moradores e a interação destes com o rio Comprido nos dias de hoje. Logo, a presente dissertação insere-se como um trabalho exploratório de abordagem reflexiva, seu objetivo maior não é quantitativo, mas qualitativo. A abordagem metodológica ancora-se nos estudos de percepção ambiental, pautados, sobretudo, nas atitudes e nos valores envolvidos na relação entre o homem e o meio ambiente. A proposta dessa abordagem intenciona contribuir com linhas de pesquisa que valorizem e busquem maior conexão entre os estudos técnicos voltados para o planejamento urbano e o conhecimento experiencial dos que vivem no lugar, entendendo este último como a base na qual se realiza a vida cotidiana na cidade.
    Título Análise das transformações do uso e a cobertura do solo às margens da rodovia dos tamoios nos municípios de Jambeiro e Paraibuna, Vale do Paraíba/SP, no período entre 1991 e 2010


    http://biblioteca.univap.br//dados//000005/00000554.pdf
    Autor(a) Felipe Gonçalves de Arruda
    Orientação Prof. Dr. Leonardo Freire de Mello
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo As margens da Rodovia dos Tamoios estão passando por um processo de modificação no uso e cobertura do solo. Este processo se intensificou a partir de 1990, devido ao investimento público e privado, como os projetos de duplicação da Rodovia dos Tamoios, a ampliação do Porto de São Sebastião, ampliação dos dutos da Petrobrás. O objetivo dessa dissertação é identificar e analisar as transformações ocorridas no uso e cobertura do solo às margens da Rodovia dos Tamoios, nos municípios de Paraibuna e Jambeiro, no período de 1991 a 2010. No período estudado, a área de estudo passou por um processo de transformação, tendo sido alvo de investimentos público e privado. Essas transformações e investimentos estão causando impactos socioeconômicos, que se refletem no espaço, tais como o crescimento do número de empresas e condomínios fechados às margens da Rodovia.
    Título Contribuição para a formulação de indicadores urbanísticos : subsídios às análises de políticas educacionais no município de Jacareí/SP


    http://biblioteca.univap.br//dados//000005/0000050a.pdf
    Autor(a) Maria José Alacrino
    Orientação Prof. Dr. José Oswaldo Soares de Oliveira
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo O presente trabalho buscou responder qual o impacto que a organização sócio-urbana gera sobre o desempenho educacional dos estudantes. Este tema justifica-se pela importância que as cidades e as condições materiais da vida urbana podem ter ao interferir na qualidade dos indicadores educacionais. Assim, o objetivo da pesquisa é constituir indicadores sobre a organização material do território compreendendo infraestruturas, equipamentos, serviços e transportes, estabelecidos por tabelas, gráficos e quadros sistematizando e os relacionando aos indicadores educacionais oficiais Provas Brasil e SARESP. Desse modo, identificam-se os possíveis fatores que influenciam a qualidade do ensino em unidades escolares localizadas em territórios representativos das dinâmicas de urbanização do município de Jacareí, Estado de São Paulo, Brasil.
    Título Contribuições aos estudos sobre os Fundos de Vale como elementos de construção ambiental e social do espaço urbano : conflitos e desafios


    http://biblioteca.univap.br//dados//000005/0000055f.pdf
    Autor(a) André Luiz Macahiba Benine
    Orientação Prof. Dr. Emmanuel Antonio dos Santos
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo O estudo se propõe a analisar a situação atual do município de Lorena e propor medidas possíveis para garantir a preservação das áreas de fundos de vale visando à sustentabilidade ambiental, social e urbana. É descritivo, aplica a técnica de observação para a análise qualitativa de documentos e da realidade do município e realiza um estudo de caso utilizando o raciocínio analítico dedutivo estruturalista, na análise da expansão urbana, dos processos de ocupação e da transformação do espaço do município de Lorena, considerando as áreas de Fundo de Vale e as políticas públicas de gestão territorial e planejamento urbano; elabora mapas que permitam visualizar os espaços a serem estudados, possibilitando uma análise espacial digital, estrutural, organizacional e operacional dos mesmos; reflete como a paisagem e meio ambiente do referido município poderiam ser passíveis de uma retransformação e, propõe medidas operacionais para a ordenação do espaço considerando a preservação do Ambiente, visando a reintegração e preservação dos rios na paisagem urbana. O estudo revela que: Lorena possui um planejamento ambiental e urbano deficiente; não utiliza a função dos elementos naturais, sobretudo as áreas de fundos de vale para a organização do espaço urbano; as legislações específicas não são aplicadas na sua totalidade, e o planejamento paisagístico urbano é inadequado. Conclui-se que a área do Fundo de Vale da Microbacia do Rio Taboão em Lorena, não foi considerada como elemento natural de construção social e ambiental do espaço urbano e que o município não ganhou em sustentabilidade ambiental, social e urbana, pois não ocorreu um planejamento voltado às questões de preservação. Revela que ao alcance da integração territorial, qualidade de vida e recuperação do meio ambiente natural através da criação de espaços flexíveis compondo uma paisagem equânime, é uma forma de conciliar a natureza como elemento principal para concepção e estruturação do espaço urbano de Lorena. Deve-se utilizar a proposição criada no estudo, para readequação do ambiente urbano em Lorena
    Título Levantamento da distribuição espacial e do perfil das escolinhas de futebol: estudo de caso do município de São José dos Campos – SP


    http://biblioteca.univap.br//dados//000004/000004a8.pdf
    Autor(a) Dorival Césare Junior
    Orientação Prof. Dr. Emmanuel Antônio dos Santos
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo Este estudo procurou mostrar que por meio da prática do futebol, um esporte muito popular no Brasil, existe um grande interesse público e privado na formação e implantação de escolinhas de futebol nos municípios brasileiros, as quais podem contribuir para a transformação dos aspectos sociais e econômicos das crianças e adolescentes. O mapeamento das escolinhas tem como objetivo analisar a sua distribuição e a influencia na sociabilidade das crianças e adolescentes da região. São José dos Campos realiza um trabalho que procura fazer a integração social em conjunto com esporte, com pode ser verificado pelos investimentos da prefeitura em relação à construção de centros poli esportivos e unidades associadas, áreas estas destinadas ao lazer e a iniciação esportiva. Em determinadas regiões a formação e organização das escolinhas de futebol, principalmente as particulares, esta ligada a condição sócio econômica da região, onde ocorrem carências de projetos sociais e de lazer e onde a população não tem condições de participar de atividades em academias e clubes. A prefeitura, através da Secretaria de Esportes e Lazer, disponibiliza local e realiza eventos voltados para o lazer, contribuindo para inclusão social da população da região. Por meio de um mapeamento, o qual procura detectar a localização das escolinhas de futebol, verificou-se um maior numero de escolinhas particulares na região sul e central, em contra partida, na região leste a predominância é de escolinhas públicas, onde investimentos públicos e a condição sócio econômica da região tornam-se um fator determinante para a localização de escolinhas gratuitas e com característica de inclusão social e de lazer. O estudo demonstrou que a escolinha, possibilita às crianças e adolescentes a oportunidade de praticar uma atividade esportiva prazerosa e que contribui desenvolvendo sua sociabilidade, fato este percebido pela maioria dos pais e proprietários. Com o crescimento urbano acelerado e em alguns momentos desordenado é preciso que a política pública de inclusão social realmente seja eficaz, buscando localizar distorções e preencher este espaço, pois a escolinha particular sempre vai estar presente onde o poder público estiver ausente.
    Título Parcelamento do solo urbano: o loteamento. Seus atores, lógicas e pertinências em São José dos Campos


    Autor(a) Arlindo Aparecido Regis de Oliveira Junior
    Orientação Prof. Dr. Emmanuel Antonio dos Santos
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo A questão da terra tem um papel importante no processo da urbanização. Diante da intensa ocupação do solo ocorrida nas últimas décadas nas cidades brasileiras, o loteamento se apresenta como forma de ocupação do território e alternativa à questão habitacional. Porém, apresenta-se, igualmente, como problema ao planejamento das cidades. O objetivo desta pesquisa é estudar o parcelamento do solo, na forma de loteamento considerado legal pelos órgãos públicos, como principal estruturador do tecido urbano. Busca-se, também, conhecer a sua evolução, identificando os atores envolvidos no processo e compreendendo suas lógicas e pertinências. O objeto empírico do estudo é a zona urbana do município de São José dos Campos, localizado na Região Metropolitana do Vale do Paraíba, Estado de São Paulo, a partir de uma abordagem descritiva e crítica, para a melhor compreensão desse fenômeno urbano. No recorte temporal de 1925 a 2012, pode-se identificar 296 (duzentos e noventa e seis) loteamentos aprovados. Por compreenderem a dinâmica territorial ocorrida no período, serão correlacionados com os principais fatos que marcaram a evolução urbana da cidade. O pressuposto inicialmente apresentado de que os problemas urbanos surgem, não por falta de planejamento, mas sim pela forma como foi concebido o acesso à terra no Brasil e pela herança cultural patrimonialista persistente até os dias atuais, foi evidenciado e confirmado pela pesquisa.
    Título A política habitacional e a expressão da segregação socioespacial em São José dos Campos - SP


    http://biblioteca.univap.br/dados/000004/00000431.pdf
    Autor(a) Andrea Lise Campos Suriano
    Orientação Prof. Dr. Paulo Romano Reschilian
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo Esta pesquisa tem o objetivo de compreender a segregação socioespacial em São Jose dos Campos, SP, como resultado do processo de urbanização/industrialização vivenciado pelas cidades brasileiras; e também resultante da política habitacional municipal. Pretende-se constatar que o modo pelo qual o avassalador processo de urbanização aliado à intensificação da industrialização contribuiu para aumentar o déficit habitacional no município e produzir a segregação socioespacial. Esta pesquisa pretende também, investigar a manutenção da segregação socioespacial a partir da produção de habitação de interesse social por meio da política habitacional adotada pelo poder público municipal nas últimas décadas. É importante destacar que São Jose dos Campos pode ser considerado um exemplo típico do padrão de "urbanismo à brasileira", cuja influência da questão da terra na organização do território (valorização e especulação imobiliária, entre outras) resulta em uma ocupação desigual do espaço urbano evidenciando a lógica da segregação socioespacial.
    Título Resíduos da construção civil no município de São José dos Campos (SP) e as políticas públicas ambientais


    http://biblioteca.univap.br//dados//000005/00000553.pdf
    Autor(a) Waldmir Assis Freitas Ferreira
    Orientação Profa. Dra. Friedhilde Maria Kustner Manolescu
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo Este estudo tem como objetivo verificar a aplicação da Política Pública Municipal de São José dos Campos, SP, ao gerenciamento de resíduos sólidos de construções civis e demolições de reforma, em atendimento à Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS, 2010). Para tanto, apresenta-se uma breve análise do que hoje se denomina crise socioambiental urbana brasileira e suas especificidades. Entende-se que a construção física e material do espaço urbano e suas transformações alicerçam-se de forma direta com as atividades da indústria da construção civil. Com o redirecionamento das discussões ambientais, iniciadas na década de 1970, para o desenvolvimento e organização dos espaços urbanos, surgiu a expressão cidade sustentável. Com esse direcionamento, este estudo tem como objeto de análise o processo de produção de resíduos da construção civil desde a primeira etapa de qualquer tipo de construção: o canteiro de obras. O estudo traz a classificação dada ao pequeno e ao grande gerador desse tipo de resíduo, o transporte e destino dos resíduos, e analisa as distintas classificações estabelecidas pela Resolução Conama nº 307/2002. Verifica, também, em fontes oficiais como a Prefeitura de São José dos Campos e a Secretaria Municipal do Meio Ambiente, o manejo dos resíduos provenientes das atividades de construção. Após o conhecimento das especificidades do Município, em relação à reciclagem dos resíduos, analisa outras cidades da região metropolitana, São José dos Campos, Taubaté, Jacareí e Pindamonhangaba, situadas no mesmo Estado de São Paulo, a fim de comparar as Políticas Públicas Municipais sob a luz da Política Nacional de Resíduos Sólidos. A comparação pretende verificar se o modelo adotado por São José dos Campos contribui de alguma maneira com a preservação ambiental, ou, ao menos, se minimiza possíveis impactos ambientais. Conclui-se que o Município avança frente a outros por possuir usina de beneficiamento de resíduos de construção, que possibilita que o material sob a forma de matéria-prima, após o processo de reciclagem, seja aplicado no mesmo setor. Cabe apontar que os esforços para atender a Política Nacional não estão sendo suficientes. Percebe-se a vulnerabilidade na extensão da cidade, com o despejo irregular de resíduos em vias públicas, em terrenos baldios, e em áreas de preservação permanente, e a inexistência de fiscalização para fazer cumprir a Lei, o que causa danos ao meio ambiente e à paisagem urbanística da cidade.

    DISSERTAÇÕES 2012
    Título Saúde e o urbano: uma pesquisa exploratória em comunidades com presença de negros- estudos de casos em Juiz de Fora- MG


    http://biblioteca.univap.br/dados/000003/0000037A.pdf
    Autor(a) Jucelia de Oliveira
    Orientação Profa. Dra. Paula Vilhena Carnevale Vianna
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo O estudo apresentado aborda a complexa relação entre saúde e espaço urbano. As áreas periféricas urbanas são espaços de vida de populações empobrecidas e privadas de adequada infraestrutura urbana e de serviços e são também, simultaneamente, áreas de habitação da maioria da população negra. Nessa perspectiva, este estudo investiga a percepção dessas populações acerca de sua vulnerabilidade socioespacial e seus reflexos sobre a saúde, tomando como sujeitos pessoas hipertensas, negras, que habitam em bairros classificados pelo IBGE como aglomerados subnormais da cidade de Juiz de Fora-MG. A investigação foi realizada por meio de entrevistas semiestruturadas de cunho qualitativo que visaram revelar o modo como o processo saúde-doença era compreendido pelos sujeitos e pelos profissionais de saúde. A reflexão sobre esse panorama se baseou na análise dos espaços urbanos dos bairros como construção social. A predominância da percepção biomédica do processo saúde-doença e a fragmentação das políticas públicas no que diz respeito á construção de espaços saudáveis de vida nos leva a concluir que a formulação e a implementação de políticas públicas equânimes devem considerar as condições materiais de vida, a cultura e estilo de vida de distintos grupos populacionais que habitam os espaços urbanos. A geografia e o planejamento urbano dialogam diretamente com a qualidade de vida das populações.
    Título O direito à cidade sustentável: reflexão acerca da política urbana brasileira à luz dos dez anos do Estatuto da Cidade


    http://biblioteca.univap.br/dados/000003/00000378.pdf
    Autor(a) Priscila Maria de Freitas
    Orientação Prof. Dr. Pedro Ribeiro Moreira Neto
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo O Estatuto da Cidade (Lei Federal 10.257/2001), ao regulamentar dois artigos da Constituição, traz consigo a formulação de um direito - o direito à cidade sustentável. Este trabalho tem por objetivo realizar uma análise temporal da política urbana, refletir os significados do direito à cidade sustentável e possibilitar novos olhares e debates deste tema. Com base em pesquisa literária, explana-se primeiramente uma linha histórica de regulamentação sobre o território brasileiro que gerou uma dinâmica de exclusão no modo de apropriação da terra. Segue-se com a trajetória e ideais do direito urbano, abordando seus marcos regulatórios. Num breve momento aborda-se a sustentabilidade, sua conceituação, discurso e práticas. Na junção do termo urbano 'direito à cidade' e do termo ambiental 'sustentável', tem-se um direito constitucional, com conflito nos seus significados e conceitos. Assim, este trabalho pretende refletir que é necessário reconhecer e repensar os caminhos já trilhados, a fim de se traçar novos; sendo um dos caminhos possíveis para a realização deste direito as práticas abrangentes, com uma visão holística e que possam mudar na dinâmica da história brasileira de constante exclusão e fragmentação das políticas públicas.
    Título Análise do uso e ocupação do solo em um trecho da zona norte do município São José dos Campos – SP


    http://biblioteca.univap.br/dados/000003/000003BE.pdf
    Autor(a) Simei Ribeiro de Souza
    Orientação Prof. Dr. Leonardo Freire de Mello
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo Até a metade da década de 1980, a cidade de São José dos Campos já havia ocupado quase todas as áreas que não sofriam alagamentos, as consideradas terras altas. Sem ter para onde ir, a população marginalizada, inicia na mesma década, a ocupação das áreas alagáveis causando alterações na fisionomia vegetal através do uso desordenado do solo. Inserido neste contexto, o presente trabalho pretende avaliar, através de mapeamento e abordagem crítica do processo de ocupação, a evolução do uso e ocupação do solo na bacia hidrográfica do Rio Paraíba do Sul no município de São José dos Campos, em um trecho da zona norte e identificar as vulnerabilidades socioambientais, através da aplicação de um questionário. A metodologia que norteará este trabalho está definida de acordo com os objetivos propostos e o mesmo terá início com o levantamento de dados de sensoriamento remoto e cartográficos para comparação entre quatro épocas distintas: 1982, 1997, 2007 e 2010, geração de base cartográfica digital, interpretação das fotografias aéreas, geração do mapa de uso e cobertura vegetal e pesquisa de campo. Os resultados demonstraram que a área sofre um intenso processo de urbanização e extensas áreas de pastagens, que atendem as atividades agropecuárias. Aliado a isto está à falta de políticas de preservação para as áreas de reflorestamento e matas ciliares. Levando em consideração as mudanças na configuração do espaço, constatou-se que os bairros analisados, antes considerados áreas rurais, não estão mais isolados de outras instancias da sociedade, e desta forma, sofre as influências dos processos administrativos e políticos das gestões públicas e econômicas em todos os níveis e a Prefeitura Municipal, através do uso de ferramentas de controle de ocupação, tem conseguido fazer com que os assentamentos sigam uma ordem espacial e as que não se encontram dentro destes parâmetros, estão sendo acompanhadas, visando uma solução para este problema.
    Título Avaliação pós-ocupação e qualidade do lugar: experiência no conjunto de Habitação Popular Jardim São José II - Zona Leste - São José dos Campos – SP


    http://biblioteca.univap.br//dados//000005/0000054a.pdf
    Autor(a) RITO, Ivana Nunes de Arruda
    Orientação Prof. Dr. Leonardo Freire de Mello
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo O presente trabalho propõe-se a estudar a percepção do indivíduo no lugar, sob o enfoque de moradores de um conjunto habitacional de interesse social, bem como investigar procedimentos metodológicos que permitam captar, de maneira sistemática, essa percepção. As discussões do trabalho terão como ponto de partida o contexto do processo de urbanização brasileiro, especialmente na Região Sudeste, em cidades como São Paulo e Rio de Janeiro, ao longo da segunda metade do século XX. Serão estudados os fatores que contribuíram para o crescimento das cidades, seu desenvolvimento, os problemas urbanos, - sobretudo de moradia-, a ação do Estado para solucionar esses problemas e a percepção dos moradores com relação a essas ações. A análise foi feita ao conjunto habitacional Jardim São José II, localizado na zona leste de São José dos Campos - SP, que foi construído para reassentar famílias das antigas favelas Novas Detroit, Tatetuba e Caparaó. A Análise da habitação de interesse social por meio de métodos e procedimentos de Avaliação Pós-Ocupação pautada no conceito de Qualidade do Lugar pressupõe uma avaliação ambiental urbana a partir da valorização desse ambiente pelas pessoas por meio de suas experiências pessoais materializadas em uma parte do espaço, o lugar. A proposta desse tipo de avaliação visa contribuir com a transformação das políticas públicas, e dos serviços públicos com o objetivo de maximizar a satisfação das pessoas com o lugar onde estão e, com isso, contribuir de forma efetiva com a consolidação de uma cultura de planejamento urbano por meio da qual possa se estabelecer um diálogo efetivo entre tomadores de decisão e sociedade em torno das ações de planejamento dos bairros, das comunidades, das habitações, e da cidade que se deseja.
    Título Contribuições aos estudos sobre a política nacional de ensino a distância : o caso representativo de município de pequeno porte : Bragança Paulista


    http://biblioteca.univap.br/dados/000004/0000042D.pdf
    Autor(a) Luiz Fernando Teodoro
    Orientação Profa. Dra. Friedhilde M. K. Manolescu
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo No Brasil, o grande desafio é levar educação com qualidade para reproduzir um efeito duradouro no desenvolvimento local. Este estudo pretende analisar a contribuição da política nacional de ensino a distância ao processo de desenvolvimento socioeconômico no Brasil e em Bragança Paulista, no período de 1998-2010. Objetiva, também, apresentar a Educação de Ensino a Distância (EAD) como um dos mecanismos na busca pela diminuição das desigualdades sociais. A estratégia adotada na pesquisa foi a revisão bibliográfica, e sua realização resultou na análise das principais alterações socioeconômicas na vida dos egressos de um curso superior a distância realizado em Bragança Paulista. Analisa-se, ainda, no plano nacional de banda larga, a expansão da infraestrutura tecnológica de acesso à internet desde seu início, em 2003, já que sua expansão tem reflexo direto na EAD, por tratar-se de uma modalidade de ensino apoiada nas Novas Tecnologias da Informação e Comunicação (NTIC's). Quanto maior for sua disseminação, mais assertiva será a política nacional de educação a distância. Os resultados apontaram a inclusão dos respondentes pela facilitação e ampliação do acesso ao ensino superior por habitantes da periferia; menor investimento aos estudos; inserção de parcela da sociedade que estava fora do processo educativo por causa da idade; e melhoria no nível de renda. Além da inclusão dos indivíduos, pela ascensão e mobilidade social decorrentes da maior escolaridade e formação, houve contribuição ao desenvolvimento local pela disponibilidade de trabalhadores mais qualificados.
    Título Do modelo de Cidade-Jardim à metropolização: evidências do urbanismo à brasileira na região norte do estado do Paraná


    http://biblioteca.univap.br/dados/000003/00000369.pdf
    Autor(a) Agnes Yuri Uehara
    Orientação Prof. Dr. Paulo Romano Reschillian
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo Este trabalho tem como objetivo compreender a maneira pela qual as relações entre a gestão pública e o mercado imobiliário configuram a organização sócio-espacial do município de Maringá que constitui uma região metropolitana desde 1998, e também identificar e analisar os desdobramentos de ordenamento do território em relação às diretrizes, ações e política para o Planejamento Urbano e Regional, partindo da análise de uma cidade planejada, cuja origem remete ao modelo de cidade-jardim. A pesquisa pretende investigar como ocorreu o processo de Planejamento na região de Maringá na qual, mesmo com a existência de instrumentos de legislação urbana, gestão e política, o quadro de segregação sócio-espacial se configura. Com relação às pesquisas realizadas permite-se afirmar que o modelo de cidade-jardim implantado em Maringá, em sua origem, não foi garantia do controle do processo de urbanização e planejamento. O Município, apesar de todas as transformações econômicas e ações de planejamento físico-territorial apresenta traços manifestos de desequilíbrio social na produção do espaço. Assim, a dinâmica urbana e regional de Maringá também produz a segregação no entorno e revela indicativos de uma situação derivada de uma Região Metropolitana, provocando êxodo de população para os Municípios vizinhos. Para possibilitar essa análise parte-se de uma revisão de trabalhos publicados sobre o processo de urbanização brasileiro, implantação do modelo de cidade-jardim e a constituição de Regiões Metropolitanas. Após as pesquisas referentes às Regiões Metropolitanas do Estado do Paraná e sobre as cidades planejadas, foram identificadas quatro importantes cidades do Norte do estado: Umuarama, Cianorte, Maringá e Londrina, sendo que para este trabalho optou-se por destacar a região de Maringá.
    Título Do modelo de Cidade-Jardim à metropolização: evidências do urbanismo à brasileira na região norte do estado do Paraná


    http://biblioteca.univap.br/dados/000003/00000369.pdf
    Autor(a) Agnes Yuri Uehara
    Orientação Prof. Dr. Paulo Romano Reschilian
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo Este trabalho tem como objetivo compreender a maneira pela qual as relações entre a gestão pública e o mercado imobiliário configuram a organização sócio-espacial do município de Maringá que constitui uma região metropolitana desde 1998, e também identificar e analisar os desdobramentos de ordenamento do território em relação às diretrizes, ações e política para o Planejamento Urbano e Regional, partindo da análise de uma cidade planejada, cuja origem remete ao modelo de cidade-jardim. A pesquisa pretende investigar como ocorreu o processo de Planejamento na região de Maringá na qual, mesmo com a existência de instrumentos de legislação urbana, gestão e política, o quadro de segregação sócio-espacial se configura. Com relação às pesquisas realizadas permite-se afirmar que o modelo de cidade-jardim implantado em Maringá, em sua origem, não foi garantia do controle do processo de urbanização e planejamento. O Município, apesar de todas as transformações econômicas e ações de planejamento físico-territorial apresenta traços manifestos de desequilíbrio social na produção do espaço. Assim, a dinâmica urbana e regional de Maringá também produz a segregação no entorno e revela indicativos de uma situação derivada de uma Região Metropolitana, provocando êxodo de população para os Municípios vizinhos. Para possibilitar essa análise parte-se de uma revisão de trabalhos publicados sobre o processo de urbanização brasileiro, implantação do modelo de cidade-jardim e a constituição de Regiões Metropolitanas. Após as pesquisas referentes às Regiões Metropolitanas do Estado do Paraná e sobre as cidades planejadas, foram identificadas quatro importantes cidades do Norte do estado: Umuarama, Cianorte, Maringá e Londrina, sendo que para este trabalho optou-se por destacar a região de Maringá.
    Título Contribuições aos estudos sobre a política nacional de ensino a distância : o caso representativo de município de pequeno porte : Bragança Paulista


    http://biblioteca.univap.br/dados/000004/0000042D.pdf
    Autor(a) Luiz Fernando Teodoro
    Orientação Profa. Dra. Friedhilde M. K. Manolescu
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo No Brasil, o grande desafio é levar educação com qualidade para reproduzir um efeito duradouro no desenvolvimento local. Este estudo pretende analisar a contribuição da política nacional de ensino a distância ao processo de desenvolvimento socioeconômico no Brasil e em Bragança Paulista, no período de 1998-2010. Objetiva, também, apresentar a Educação de Ensino a Distância (EAD) como um dos mecanismos na busca pela diminuição das desigualdades sociais. A estratégia adotada na pesquisa foi a revisão bibliográfica, e sua realização resultou na análise das principais alterações socioeconômicas na vida dos egressos de um curso superior a distância realizado em Bragança Paulista. Analisa-se, ainda, no plano nacional de banda larga, a expansão da infraestrutura tecnológica de acesso à internet desde seu início, em 2003, já que sua expansão tem reflexo direto na EAD, por tratar-se de uma modalidade de ensino apoiada nas Novas Tecnologias da Informação e Comunicação (NTIC's). Quanto maior for sua disseminação, mais assertiva será a política nacional de educação a distância. Os resultados apontaram a inclusão dos respondentes pela facilitação e ampliação do acesso ao ensino superior por habitantes da periferia; menor investimento aos estudos; inserção de parcela da sociedade que estava fora do processo educativo por causa da idade; e melhoria no nível de renda. Além da inclusão dos indivíduos, pela ascensão e mobilidade social decorrentes da maior escolaridade e formação, houve contribuição ao desenvolvimento local pela disponibilidade de trabalhadores mais qualificados.
    Título Avaliação pós-ocupação e qualidade do lugar: experiência no conjunto de Habitação Popular Jardim São José II - Zona Leste - São José dos Campos – SP


    http://biblioteca.univap.br//dados//000005/0000054a.pdf
    Autor(a) RITO, Ivana Nunes de Arruda
    Orientação Prof. Dr. Leonardo Freire de Mello
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo O presente trabalho propõe-se a estudar a percepção do indivíduo no lugar, sob o enfoque de moradores de um conjunto habitacional de interesse social, bem como investigar procedimentos metodológicos que permitam captar, de maneira sistemática, essa percepção. As discussões do trabalho terão como ponto de partida o contexto do processo de urbanização brasileiro, especialmente na Região Sudeste, em cidades como São Paulo e Rio de Janeiro, ao longo da segunda metade do século XX. Serão estudados os fatores que contribuíram para o crescimento das cidades, seu desenvolvimento, os problemas urbanos, - sobretudo de moradia-, a ação do Estado para solucionar esses problemas e a percepção dos moradores com relação a essas ações. A análise foi feita ao conjunto habitacional Jardim São José II, localizado na zona leste de São José dos Campos - SP, que foi construído para reassentar famílias das antigas favelas Novas Detroit, Tatetuba e Caparaó. A Análise da habitação de interesse social por meio de métodos e procedimentos de Avaliação Pós-Ocupação pautada no conceito de Qualidade do Lugar pressupõe uma avaliação ambiental urbana a partir da valorização desse ambiente pelas pessoas por meio de suas experiências pessoais materializadas em uma parte do espaço, o lugar. A proposta desse tipo de avaliação visa contribuir com a transformação das políticas públicas, e dos serviços públicos com o objetivo de maximizar a satisfação das pessoas com o lugar onde estão e, com isso, contribuir de forma efetiva com a consolidação de uma cultura de planejamento urbano por meio da qual possa se estabelecer um diálogo efetivo entre tomadores de decisão e sociedade em torno das ações de planejamento dos bairros, das comunidades, das habitações, e da cidade que se deseja.
    Título Análise do uso e ocupação do solo em um trecho da zona norte do município São José dos Campos – SP


    http://biblioteca.univap.br/dados/000003/000003BE.pdf
    Autor(a) Simei Ribeiro de Souza
    Orientação Prof. Dr. Leonardo Freire de Mello
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo Até a metade da década de 1980, a cidade de São José dos Campos já havia ocupado quase todas as áreas que não sofriam alagamentos, as consideradas terras altas. Sem ter para onde ir, a população marginalizada, inicia na mesma década, a ocupação das áreas alagáveis causando alterações na fisionomia vegetal através do uso desordenado do solo. Inserido neste contexto, o presente trabalho pretende avaliar, através de mapeamento e abordagem crítica do processo de ocupação, a evolução do uso e ocupação do solo na bacia hidrográfica do Rio Paraíba do Sul no município de São José dos Campos, em um trecho da zona norte e identificar as vulnerabilidades socioambientais, através da aplicação de um questionário. A metodologia que norteará este trabalho está definida de acordo com os objetivos propostos e o mesmo terá início com o levantamento de dados de sensoriamento remoto e cartográficos para comparação entre quatro épocas distintas: 1982, 1997, 2007 e 2010, geração de base cartográfica digital, interpretação das fotografias aéreas, geração do mapa de uso e cobertura vegetal e pesquisa de campo. Os resultados demonstraram que a área sofre um intenso processo de urbanização e extensas áreas de pastagens, que atendem as atividades agropecuárias. Aliado a isto está à falta de políticas de preservação para as áreas de reflorestamento e matas ciliares. Levando em consideração as mudanças na configuração do espaço, constatou-se que os bairros analisados, antes considerados áreas rurais, não estão mais isolados de outras instancias da sociedade, e desta forma, sofre as influências dos processos administrativos e políticos das gestões públicas e econômicas em todos os níveis e a Prefeitura Municipal, através do uso de ferramentas de controle de ocupação, tem conseguido fazer com que os assentamentos sigam uma ordem espacial e as que não se encontram dentro destes parâmetros, estão sendo acompanhadas, visando uma solução para este problema.
    Título O direito à cidade sustentável: reflexão acerca da política urbana brasileira à luz dos dez anos do Estatuto da Cidade


    http://biblioteca.univap.br/dados/000003/00000378.pdf
    Autor(a) Priscila Maria de Freitas
    Orientação Prof. Dr. Pedro Ribeiro Moreira Neto
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo O Estatuto da Cidade (Lei Federal 10.257/2001), ao regulamentar dois artigos da Constituição, traz consigo a formulação de um direito - o direito à cidade sustentável. Este trabalho tem por objetivo realizar uma análise temporal da política urbana, refletir os significados do direito à cidade sustentável e possibilitar novos olhares e debates deste tema. Com base em pesquisa literária, explana-se primeiramente uma linha histórica de regulamentação sobre o território brasileiro que gerou uma dinâmica de exclusão no modo de apropriação da terra. Segue-se com a trajetória e ideais do direito urbano, abordando seus marcos regulatórios. Num breve momento aborda-se a sustentabilidade, sua conceituação, discurso e práticas. Na junção do termo urbano 'direito à cidade' e do termo ambiental 'sustentável', tem-se um direito constitucional, com conflito nos seus significados e conceitos. Assim, este trabalho pretende refletir que é necessário reconhecer e repensar os caminhos já trilhados, a fim de se traçar novos; sendo um dos caminhos possíveis para a realização deste direito as práticas abrangentes, com uma visão holística e que possam mudar na dinâmica da história brasileira de constante exclusão e fragmentação das políticas públicas.
    Título Saúde e o urbano: uma pesquisa exploratória em comunidades com presença de negros- estudos de casos em Juiz de Fora- MG


    http://biblioteca.univap.br/dados/000003/0000037A.pdf
    Autor(a) Jucelia de Oliveira
    Orientação Profa. Dra. Paula Vilhena Carnevale Vianna
    Linha de Pesquisa Planejamento, políticas públicas e estruturação do espaço urbano e regional
    Resumo O estudo apresentado aborda a complexa relação entre saúde e espaço urbano. As áreas periféricas urbanas são espaços de vida de populações empobrecidas e privadas de adequada infraestrutura urbana e de serviços e são também, simultaneamente, áreas de habitação da maioria da população negra. Nessa perspectiva, este estudo investiga a percepção dessas populações acerca de sua vulnerabilidade socioespacial e seus reflexos sobre a saúde, tomando como sujeitos pessoas hipertensas, negras, que habitam em bairros classificados pelo IBGE como aglomerados subnormais da cidade de Juiz de Fora-MG. A investigação foi realizada por meio de entrevistas semiestruturadas de cunho qualitativo que visaram revelar o modo como o processo saúde-doença era compreendido pelos sujeitos e pelos profissionais de saúde. A reflexão sobre esse panorama se baseou na análise dos espaços urbanos dos bairros como construção social. A predominância da percepção biomédica do processo saúde-doença e a fragmentação das políticas públicas no que diz respeito á construção de espaços saudáveis de vida nos leva a concluir que a formulação e a implementação de políticas públicas equânimes devem considerar as condições materiais de vida, a cultura e estilo de vida de distintos grupos populacionais que habitam os espaços urbanos. A geografia e o planejamento urbano dialogam diretamente com a qualidade de vida das populações.


    2008

    Título: Desigualdade Social no Brasil: A Questão Habitacional em São José dos Campos - SP 
    Autor(a): Diva Dias da Silva 
    Orientação: Emmanuel Antonio dos Santos 
    Linha de Pesquisa: Políticas Públicas e Estruturação do Espaço Urbano e Regional 



    Título: O Impacto Econômico na Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul na Região do Estado de São Paulo - Sustentabilidade ou Crise 
    Autor(a): Edmundo Carlos de Andrade Carvalho / Emmanuel Antonio dos Santos 
    Orientação: Emmanuel Antonio dos Santos 
    Linha de Pesquisa: Políticas Públicas e Estruturação do Espaço Urbano e Regional 



    Título: Novas Formas de Ocupação Urbana: Os Loteamentos Fechados em São José dos Campos 
    Autor(a): Mateus de Godoi Maria 
    Orientação: Sandra Maria Fonseca da Costa / Emmanuel Antonio dos Santos 
    Linha de Pesquisa: Políticas Públicas e Estruturação do Espaço Urbano e Regional 



    2007

    Título: A Ocupação do Espaço e a Questão Sócio Ambiental na Bacia Hidrográfica no Córrego dos Freitas - São José dos Campos - SP 
    Autor(a): Gercina Maria dos Santos 
    Orientação: Mário Valério Filho / Eduardo Jorge Brito de Bastos 
    Linha de Pesquisa: Planejamento, População e Ambiente 



    2006

    Título: Análise do Crescimento Urbano de Ilhabela: Seus Reflexos e Perspectivas de Planejamento para o Município 
    Autor(a): Mônica Souza Guimarães 
    Orientação: Sandra Maria Fonseca da Costa 
    Linha de Pesquisa: Políticas Públicas e Estruturação do Espaço Urbano e Regional 



    Título: Organização Social do Espaço Urbano e a Acessibilidade para PEssoas com Deficiência Física e Motora no Município de São José dos Campos - Um Estudo para o Planejamento Urbano 
    Autor(a): Hamilton do Nascimento Freitas 
    Orientação: Friedhilde Maria Kustner Manolescu 
    Linha de Pesquisa: Políticas Públicas e Estruturação do Espaço Urbano e Regional 



    Título: Rurbanização, Desenvolvimento e Vida: O Caso do Assentamento Nova Esperança I, do MST, em Macrozona de Expansão Urbana de São José dos Campos - Perspectivas para o Planejamento Urbano e Regional 
    Autor(a): Claudio Collado Riechelmann 
    Orientação: José Oswaldo Soares de Oliveira 
    Linha de Pesquisa: Políticas Públicas e Estruturação do Espaço Urbano e Regional 



    Título: Sistema de Circulação e de Transporte e o Espaço Urbano na Cidade de São José dos Campos: um Estudo Multitemporal 
    Autor(a): Eliseu Ribeiro de Moura 
    Orientação: Sandra Maria Fonseca da Costa 
    Linha de Pesquisa: Políticas Públicas e Estruturação do Espaço Urbano e Regional 



    Título: O Turismo e a Produção Social do Espaço Urbano: Estudos sobre Campos do Jordão 
    Autor(a): Cleide Pivott 
    Orientação: José Oswaldo Soares de Oliveira 
    Linha de Pesquisa: Políticas Públicas e Estruturação do Espaço Urbano e Regional 



    Título: Um Setor Urbano em Transformação: a Região Oeste de São José dos Campos - SP 
    Autor(a): Luciane de Menezes Siqueira 
    Orientação: Sandra Maria Fonseca da Costa 
    Linha de Pesquisa: Políticas Públicas e Estruturação do Espaço Urbano e Regional 



    Título: Urbanizacão Dispersa, Mercado de Trabalho e Dinamica Industrial do Complexo Aeroespacial de São Jose dos Campos - SP 
    Autor(a): Dayana Melo Nogueira 
    Orientação: Cilene Gomes / Nestor Goulart Reis Filho 
    Linha de Pesquisa: Políticas Públicas e Estruturação do Espaço Urbano e Regional 

  • Linha 2: Planejamento, população e meio ambiente
  • Dissertações Defendidas
    DISSERTAÇÕES 2018
    Título Área de proteção ambiental (APA) como instrumento de planejamento territorial e regional para o desenvolvimento sustentável: o caso da APA de São Francisco Xavier – SP


    http://biblioteca.univap.br//dados//00003a/00003a32.pdf
    Autor(a) Raquel Henrique
    Orientação Profa. Dra. Maria Angélica Toniolo
    Linha de Pesquisa Planejamento, população e meio ambiente
    Resumo Esta pesquisa de mestrado teve por objetivo investigar se a Área de Proteção Ambiental (APA) consegue promover a conservação ambiental e o desenvolvimento socioeconômico a partir do uso sustentável dos recursos naturais. Para isto, utilizou-se de um estudo de caso na APA estadual São Francisco Xavier, localizada no município de São José dos Campos-SP. A partir de uma abordagem de multimétodo, quali-quantitativa, utilizou de referencial bibliográfico, trabalho de campo, observação participante, aplicação de questionários e uso de geoprocessamento para o levantamento de dados primários e secundários. A pesquisa se desenvolveu em duas análises: a primeira investiga se ocorre tanto a conservação ambiental quanto o estímulo ao desenvolvimento socioeconômico por parte da APA no local; a segunda visa confrontar o resultado obtido em primeira análise à conformidade do Sistema Nacional de Unidades de Conservação e a atuação do Mercado Imobiliário. A amostragem desta pesquisa foi direcionada aos subgrupos produtor familiar de leite, pousadas e imobiliárias, dado a influência deste na transformação produção espacial local. O resultado conclui que a APA, com suas restrições de uso promove a conservação, dado ao aumento da área verde local, porém não dispõe de meios efetivos e permanentes para garantir a promoção do desenvolvimento socioeconômico a partir do uso sustentável de seus recursos naturais, deste modo, não atinge plenamente ao que esta política se dispõe. Um reflexo desta incompatibilidade é o avanço da abertura de estradas para as zonas de uso mais restritivos da APA e o aumento da ocupação em 83% de áreas construídas de 2007 a 2017, resultado direto do incremento da ocupação de segunda residência, transformação no uso da terra e mudança no perfil socioeconômico local, o que revela a falta de eficiência da gestão da APA. Outra questão importante, que não foi objeto desta pesquisa, é se a regeneração das áreas verdes garante a manutenção da biodiversidade local, fato que a ampliação da área verde pode ocultar. Deste modo, verifica-se que a falta de estruturação deste instrumento em garantir sobretudo possibilidade de promoção social local, atrelado à falta de fiscalização municipal de seu território contribui para que o Mercado Imobiliário atue como principal força reguladora através da oferta e procura, facilitando condições de comercialização irregular do território em lotes abaixo ao módulo rural (20 mil metros). Outra questão importante levantada pelo trabalho é a tendência dos espaços conservados estarem sujeitos a uma apropriação de determinados grupos sociais interessados na riqueza ambiental, fato que implica em um choque de interesses culturais e mudança abrupta no perfil social local, desterritorializando a população tradicional.
    Título Estudo comparativo da implantação do Programa Minha Casa Minha Vida sob controle comunitário e municipal: impacto no bem-estar dos beneficiários pós-ocupação.


    http://biblioteca.univap.br//dados//00003a/00003a30.pdf
    Autor(a) Valmore Eduardo Lugo Jagemberg
    Orientação rofa. Dra. Maria Angélica Toniolo
    Profa. Dra. Sandra Maria Fonseca da Costa
    Linha de Pesquisa Planejamento, população e meio ambiente
    Resumo O Programa Minha Casa Minha Vida (PMCMV) foi proposto como uma alternativa para combater o déficit habitacional existente no Brasil, a partir de 2009. Resultados de pesquisas demonstram desvirtuamentos na aplicação do PMCMV destinado a atender as populações na faixa 1 (com renda mínima de 0 até 3 salários mínimos), na qual se concentra o déficit habitacional do país. Problemas comuns decorrentes destas irregularidades são: incumprimento dos cronogramas de execução das obras, UHs com problemas estruturais, a escolha de terrenos afastados para implementar os conjuntos habitacionais, entre outros. As irregularidades são causadas pela ação dos agentes relacionados ao desenvolvimento dos empreendimentos habitacionais. Para analisar os incentivos que enfrentam os agentes do programa, que os incita a atuar de forma oportunista e assim prejudicar os resultados do programa, se aplicou o arcabouço Institutional Analysis and Development (IAD). A análise de duas modalidades do PMCMV implantadas no município Ponta de Pedras, permitiu investigar, em um caso com participação dos beneficiários e controle pela comunidade (denominado Programa Nacional de Habitação Rural) e em outro sem participação dos beneficiários e controlado pelo poder público local (Programa Nacional de Habitação Urbana), para análise comparativa. Os resultados físicos dos programas esclareceram disparidades, sendo o programa com maior participação dos beneficiários o que cumpriu os requisitos do projeto habitacional. Em oposição, o programa com maior controle do poder público apresentou irregularidades na sua etapa de execução, resultando na entrega das UHs sem conclusão aos beneficiários. Na pesquisa se concluiu que os arranjos institucionais do programa que incentivaram a participação dos beneficiários em Ponta de Pedras impactaram nos bons? resultados após a construção das obras
    Título Análise da efetividade da gestão participativa no Conselho Municipal do Meio Ambiente de Lorena – SP


    http://biblioteca.univap.br//dados//00003e/00003e6a.pdf
    Autor(a) Ingrid Elena Sanchez Schnoor Nunes
    Orientação Prof. Dr. Mário Valério Filho
    Prof. Dr. Rodolfo Moreda Mendes
    Linha de Pesquisa Planejamento, população e meio ambiente
    Resumo A várzea do Rio Paraíba do Sul não existe ma