192ª Edição - Ano V
De 6 a 26 de maio/2013
 

 
Bate-Papo com o Jornalista Audálio Dantas

Alunos e professores da Univap com os jornalistas Audálio
Dantas e Luiz Paulo Costa
 

Alunos e professores do curso de Jornalismo da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação (Fcsac) da Univap foram convidados pelo jornalista e ex-vereador Luiz Paulo Costa, a participarem no último dia 15 de maio, às 19h, na Livraria Maxsigma, no Vale Sul Shopping , do lançamento do livro "As duas Guerras de Vlado Herzog" de autoria do Jornalista Audálio Dantas.
Por ocasião do encontro com os alunos da Univap, Dantas, falou sobre as técnicas de reportagem, estilo e a importância da notícia, mostrando a diferença entre a reportagem e a literatura. Falou de sua obra e respondeu questões pertinentes ao universo jornalístico.


A grande reportagem de Audálio Dantas sobre Herzog apresenta o cenário da ditadura militar no Brasil. O livro nasce da necessidade de reconstrução mais apurada dos fatos que circundam a morte e a trajetória de Vlado Herzog e as perseguições sofridas por ser judeu.
Audálio Dantas nasceu em Tanque d`Arca (AL), em 8 de julho de 1932. Em 1954 começou como repórter da Folha da Manhã (atual Folha de S. Paulo). Em 1958, publicou reportagem sobre o diário em que Carolina Maria de Jesus registrava o seu dia a dia na favela do Canindé, em São Paulo. No ano seguinte transferiu-se para a revista O Cruzeiro , onde foi redator e chefe de reportagem. Na mesma época fez a compilação dos diários de Carolina Maria de Jesus resultando no livro Quarto de despejo: Diário de uma favelada, que alcançou grande sucesso no Brasil e no exterior. Em 1966 foi trabalhar na revista Quatro Rodas , da qual foi editor de turismo e redator-chefe. Em 1969, passou a integrar a equipe da revista Realidade, onde fez reportagens de grande repercussão, algumas das quais seriam publicadas em livro.

Os jornalistas Luiz Paulo Costa e
Audálio Dantas
 
Vista parcial do Auditório da Livraria
Maxsigma
 
Audálio Dantas durante o bate-papo
com os alunos e professores da Univap

Presidiu o Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo, entre 1975 e 1978, onde conduziu os protestos pelo assassinato do jornalistas Vladimir Herzog numa dependência do II Exército. Em seguida foi eleito deputado federal pelo Movimento Democrático Brasileiro (MDB). Em 1981 recebeu na ONU prêmio por sua atuação em defesa dos direitos humanos. Foi vice-presidente da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) entre 2005 e 2008. Muitas de suas reportagens foram também publicadas como livros, entre elas: O Circo de Desespero, Tempo de Luta – Reportagem de uma atuação parlamentar, Repórteres, O Chão de Graciliano (Prêmio APCA de 2007) e Tempo de reportagem.
É presidente da Comissão da Verdade, Memória e Justiça dos Jornalistas Brasileiros, Conselheiro da União Brasileira de Escritores (UBE) e do Instituto Vladimir Herzog.

 

<< Voltar