162ª Edição - Ano IV
De 14 a 20 de maio/2012
 

 
  Workshop Inovação na Prática − Ideias Gerando Negócios
5 de junho na Univap


 
 


Aproximar o setor empresarial de alguns dos principais centros de pesquisa brasileiros, a fim de estimular novos negócios. Esse é o principal objetivo do Workshop “Inovação na Prática”, organizado pelo Núcleo de Inovação Tecnológica - NIT Mantiqueira, que acontecerá dia 5 de junho de 2012, na Universidade do Vale do Paraíba, Univap, em São José dos Campos, SP.
Voltado para empresários e investidores que atuam com Inovação Tecnológica, a proposta do evento é tratar questões básicas para o setor, como o financiamento de novos empreendimentos, cases de sucesso e os atuais rumos da inovação.
A mesa-redonda “Perspectivas da Inovação Tecnológica” apresentará pontos de vistas de empreendedores de destaque no tema. Um exemplo é o professor e pesquisador da Unicamp, Fernando Galembeck, que já depositou 18 patentes, 7 delas licenciadas. Estará presente, também, a Opto Eletrônica S/A, representada por Jarbas Caiado de Castro Neto, uma startup que, segundo a revista Exame, esteve entre as 100 empresas brasileiras que mais cresceram entre 2003 e 2006 e foi a primeira do hemisfério sul a produzir um laser.
Outra história de sucesso é a da Angelus Indústria de Produtos Odontológicos S/A, representada por César Bellinati que, desde seu início, optou por um relacionamento estreito com o setor acadêmico, técnico e científico na busca por soluções odontológicas.
Abordando o ponto de vista da universidade, a mesa contará, ainda, com a participação do coordenador da Agência USP de Inovação, professor Vanderlei Salvador Bagnato, e da diretora da Fatec Pindamonhangaba e membro da Agência INOVA Paula Souza, professora Cristina de Carvalho Ares Elisei.
Muitos dos negócios empreendidos por essas organizações, no entanto, só se tornaram possíveis a partir de investimentos externos ao empreendimento. Tema que será abordado na mesa redonda “Financiando a Inovação”, por representantes da Finep, BNDES, Fapesp e por dois dos principais grupos de investidores privados do país: Anjos do Brasil, que apresenta como cases de sucesso a Bematech e o Buscapé, e a Associação Brasileira de Private Equity e Venture Capital − ABVCAP.
Durante a rodada de negócios, que acontecerá à tarde, os participantes poderão conhecer tecnologias desenvolvidas pelas nucleadoras do NIT Mantiqueira. As tecnologias estarão organizadas por áreas, muitas em destaque no mercado atual: Medicina e Saúde, Energia, Combustíveis, Testes e Ensaio, Hardware, Software e TI, Microscopia, Nanotecnologia e Novos Materiais, Meio Ambiente, Tecnologias Verdes, Sustentabilidade, Astrofísica, Espacial e Fibra Óptica.
Caso o interesse do empreendedor seja por desenvolver uma tecnologia ainda não disponível, poderá verificar a possibilidade de estabelecer parcerias por demanda tecnológica. O evento é gratuito, mas o número de vagas, limitado. Os interessados poderão obter mais informações ou inscrever-se, no endereço http://www.nitmantiqueira.org.br/inovacao-na-pratica. As inscrições vão até o dia 31 de maio de 2012.

 
NIT Mantiqueira

Um dos cinco Arranjos de Núcleos de Inovação Tecnológica do país, o NIT Mantiqueira foi instituído pela Subsecretaria de Coordenação das Unidades de Pesquisa (SCUP) do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), como uma das estratégias para o desenvolvimento de Ciência, Tecnologia e Inovação no Estado de São Paulo e Sul de Minas Gerais.
Atualmente o NIT Mantiqueira é composto pelo Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer (CTI), Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron (ABTLuS), Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Universidade do Vale do Paraíba (Univap), Laboratório Nacional de Astrofísica (LNA) e Centro de Pesquisas Avançadas Wernher von Braun.
A finalidade do NIT Mantiqueira é detectar demandas do mercado em Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (P,D&I), a fim de estabelecer parcerias para novos projetos. Seu principal objetivo é transformar ideias em negócios, transferindo o conhecimento produzido nos laboratórios para o setor empresarial. O processo tem início com a identificação de tecnologias e demandas por projetos. Uma vez detectadas, essas tecnologias são submetidas à proteção intelectual e, só então, poderão ser divulgadas. A etapa final é a transferência da tecnologia por meio de contratos de licenciamento ou de cooperação técnico-científica.

Informações: http://www.nitmantiqueira.org.br



 
 
 


 
 

<< Voltar